“E, quiçá, odieis algo que vos seja melhor”

 

Por Imam Ibn al Qayyim

Allah, o Onipotente disse, o que significa,

“E, quiçá, odieis algo que vos seja melhor. E, quiçá, ameis algo que vos seja pior. E Allah sabe, e vós não sabeis.” (Sura AI-Baqarah, 2:216)

Neste verísculo Qur’anico, existem diversos julgamentos, sentidos, e benefícios para o servo. Se o servo soubesse que a adversidade pode produzir algo desejável, e que algo desejável pode produzir adversidade, não se sentiria seguro contra o dano que pode vir do prazer, e não perdiria esperança do prazer que vem do dano, porque ele não conhece os resultados das situações. Por certo, é Allah Quem sabe daquilo que o servo não sabe, e neste contexto devem ser notados os seguintes aspetos:

 

Nada é mais benéfico para ele do que conformar-se com as decisões de Allah, mesmo que no início lhe seja difícil, já que todos os seus resultados são bons, agradáveis, e aprazíveis. Da mesma forma, nada lhe é mais prejudicial do que cometer aquilo que é proibido, mesmo que o ame. Todos os seus resultados são sofrimento, aflição e desgraça.

 

Ademais, a mente suporta pouca dor em comparação ao grande prazer e abundante bem que experienciará, e do mesmo modo é esperado do homem evitar pouco em troca de grandes recompensas e a prevenindo grande sofrimento e mal de longa duração.

 

Desta forma, podemos ver que a perceção do ignorante não vai para além das noções básicas da vida; a sua perceção não alcança os objetivos, porém a pessoa inteligente sempre mantém os seus olhos nos objetivos além das suas ações na vida.

 

A pessoa inteligente entende as coisas proibidas como um alimento delicioso que contém um veneno fatal. Sempre que o seu prazer desperta o seu interesse, a realidade do veneno afasta-o disso. Igualmente, ele entende as ordens de Allah como um medicamento amargo que conduz à uma boa sáude e cura.

 

Sempre que a sua amargura o incita a não o tomar, a realidade da sua utilidade leva-o a consentir. Isto requer conhecimento que é maior que os rudimentos [noções básicas] da religião de modo a compreender os objetivos essenciais. Também requer uma forte paciência para se adaptar a isso, de forma a suportar as dificuldades que serão encontradas por causa do objetivo. Portanto se ele perder convicção e paciência, será difícil atingir o objetivo, e por outro lado se a sua convicção e paciência forem fortes, todas as dificuldades apresentam-se fáceis para ele por causa do bem permanente e do prazer eterno.

 

Além deste, também existem outros significados neste versículo. É também requerido do servo deixar todos os seus assuntos nas Mãos Daquele que conhece as consequências de todas as ocorrências, e estar satisfeito com o que quer que Ele escolha para ele.

 

Ademais, os sentidos deste versículo incluem o fato de que ele não deve propor ou escolher pelo seu Senhor, e não deve pedi-Lo por aquilo pelo qual não tem conhecimento, visto que o seu prejuízo e destruição podem estar nisso e no entanto ele não sabe. Deve simplesmente pedir ao seu Senhor que escolha aquilo que lhe é bom e que lhe faça satisfeito com a Sua escolha, pois isso, seria, deveras, o melhor final. Outrossim, quando ele deixa os seus assuntos ao seu Senhor, e está satisfeito com a Sua escolha, Allah o auxiliará proporcionando-lhe capacidade, determinação e paciência. Ele, o Onipotente, também o manterá afastado do mal que o servo teria encontrado se tivesse escolhido por si mesmo. Ele lhe mostrará alguns dos resultados positivos da Sua decisão, os quais não teria alcançado se tivesse escolhido por si próprio.

 

Tal pensamento alivia-lhe dos fardos de tentar escolher por si mesmo, já que Allah liberta o seu coração de estimativas e arranjos, que oscilam em dificuldade. E apesar disso, o servo estaria sempre cercado por aquilo que lhe tinha sido inicialmente preordenado. Se ele ficar satisfeito com a decisão de Allah, a predestinação lhe concederá o que é louvável, digno das graças e digno da misericórdia de Allah. De outro modo, a predestinação incorreria nele tudo o que é reprovado e indigno da misericórdia de Allah, posto que foi a sua própria escolha. Quando ele verdadeiramente deixa os seus assuntos a Allah, e realmente se torna satisfeito com isso, será cercado por benevolência e proteção na predestinação, e estaria sobre o cuidado e a bondade de Allah. A Sua bondade protege-o daquilo que ele teme e o Seu cuidado torna-lhe fácil suportar aquilo que Ele predestinou.

 

Quando a predestinação é implementada sobre o servo, a grande causa da sua implementação seria a sua tentativa de a evitar. Portanto, não há nada mais benéfico para ele do que a submissão.

 

Fonte: “Al-Fawaid: Uma Coleção de Ditos Sábios”

 

Traduzido em Inglês por: Batan Translation Services

Tradução de Umm Al-Qura Para Tradução, Publicação e Destribuição

 

Fonte: Abdurrahman.Org

Tradução: Mariama bint Carlos


You have no rights to post comments