Buscando o Perdão: A Cura para os Indivíduos e as Sociedades

 

 

Allah - O Altíssimo -disse:

“E implora perdão a Allah. Por certo, Allah é Perdoador, Misericordiador.” [Soorah an-Nisaa(4):106]

“E quem faz um mal ou é injusto com si mesmo, em seguida, implora perdão a Allah, encontrará a Allah Perdoador, Misericordiador.”[Soorah an-Nisaa(4):110]

Imaam as-Sa’dee (m.1376H) - rahimahullaah – disse:

Quem comete um ato de desobediência e se coloca em pecado, mas que de seguida faz o istighfaar (busca o perdão de Allah) por isso de forma sincera - o que envolve:

[i] Afirmar que [a sua ação] constitui um pecado;

[ii] Arrepender-se de ter feito essa má ação;

[iii] Afastar-se dela;

[iv] Decidir não voltar a fazê-la novamente.

Dessa forma, esta pessoa terá a promessa da misericórdia e do perdão de Allah - e, verdadeiramente Allah nunca quebra sua promessa. Então Allah vai perdoar o pecador, vai purificá-lo de seus pecados e irá aceitar suas boas ações feitas anteriormente [antes de cometer o pecado]...e saiba que [o termo] 'más ações' inclui, em geral, todos os atos de desobediência, quer sejam menores ou maiores. Elas são chamadas de 'más ações' por causa de suas terríveis punições necessárias, e por causa de seus malignos efeitos sobre a alma. Semelhantemente, [o termo] 'oprimir-se através de transgressão’ incluí a opressão de se cometer o shirk (direcionar qualquer tipo de adoração para outro além de Allah), tanto como [outras formas de injustiças] que são menores que isso. Estes dois termos foram explicados de um jeito em que um esta incluso no outro.

Más ações também foram explicadas aqui, significando más ações contra as pessoas em relação ao seu sangue (vida), às suas propriedades ou honra. A opressão contra si próprio através de transgressão tem sido explicado aqui como aqueles pecados e atos de desobediência que uma pessoa comete contra Allah. É considerada uma auto-opressão porque a alma de uma pessoa ou vida não é de sua propriedade para que possa fazer o que quiser com ela. De fato, esta vida, ou alma, pertence a Allah - O Altíssimo – Que a concedeu à pessoa como uma confiança, e ordenou-lhe ser justa para manter-se na Senda Reta, quer seja em palavras ou ações, e que ensinou à alma o que tem sido ordenado para ela e os atos que ela precisa desempenhar. Portanto, uma pessoa que não se mantenha nesta Senda [Reta], está na verdade se oprimindo a si mesma, agindo traiçoeiramente,e desviando-se da senda da justiça e equidade; o oposto da injustiça e opressão. [1]

O Profeta (sallallaahu ‘alayhi wa sallam) disse:

“Allaah – o Altíssimo – disse: “Ó filho de Adão, enquanto chamares por Mim pedindo Meu perdão, Eu te perdoarei pelo que tiveres feito e não me importarei. Ó filho de Adão, mesmo que os teus pecados alcançassem as nuvens do céu e pedisses o Meu perdão, Eu te perdoaria. Ó filho de Adão, se viesses a Mim com pecados quase tão grandes quanto a terra e, Me encontrasses, não atribuindo-Me parceiros na adoração, Eu te concederia um perdão tão grande quanto ela." [2]

Allaah – o Exaltado – também disse sobre o istighfaar:

“E não é admissível que Allah os castigasse, enquanto tu estavas entre eles. E não é admissível que Allah os castigasse, enquanto imploravam perdão.” [Soorah al-Anfaal (8):33]

Allah nos informa de que existem dois fatores que são a causa de segurança da Sua terrivel punição, e a continuariam a ser tanto quanto estiverem presentes na Ummah:

[i] A presença do Profeta (sallAllahu ‘alayhi wa sallam) entre ela;

[ii] A sua busca pelo perdão de Allah.

Ibn ‘Abbaas (radiallaahu ‘anhu) disse:

“Existem duas [causas] que fazem as pessoas permanecerem em segurança, [i]a presença do Profeta (sallallaahu ‘alayhi wa sallam) entre elas, e [ii] a sua busca pelo perdão de Allah. O Profeta (sallallaahu ‘alayhi wa sallam) se foi, então tudo o que resta é a busca pelo perdão de Allah.” [3]

Assim,quanto mais nos tornamos negligentes na busca pelo perdão de Allah, mais abrimos as portas para a Sua punição; tanto para nós mesmos como individuos, e para a sociedade como um todo. Então – muçulmanos – fiquemos atentos!

Revista 'Al-Istiqaamah', Edição Nº 8 – Shawwal 1418H / fevereiro de 1998

Notas:

1. Tayseerul-Kareemur-Rahmaan (p. 164).

2. Saheeh: Relatado por at-Tirmidhee (nº 3540), por Anas (radiallaahu ‘anhu). Isto foi autenticado por Shaykh al-Albaanee no as-Saheehah (nº.127-128).

3. Relatado por Ibn Katheer no Tafseer Qur’aanul’Adheem, (2/317).

 

Fonte: Abdurrahman.Org


You have no rights to post comments