Tipos de Hima
 
Os estudos sobre Hima mostram que os seguintes tipos existem desde tempos antigos na Península Arábica:
Pastagem é proibida - o corte é permitido durante períodos específicos. Isto é, quando as plantas atingem uma certa altura de crescimento, depois das flores e frutos. Os ramos cortados são tomados fora do Hima para alimentar o gado. O conselho de tribo especifica o número de pessoas de cada família autorizadas a fazer o corte. Certas trilhas são especificadas para os trabalhadores, para evitar a destruição da fertilidade do solo.  Certos dias são alocados para os homens; outros para as mulheres [5].
Pastagem e corte - só é permitida após flores e frutos serem produzidos. Isso permite que a semeadura natural do solo para o próximo ano ou temporada.
Pastagem - é permitida durante todo o ano, a quantidade e o tipo de animais são especificados. Não há restrição na redução de grama.
Reserva para a apicultura - pastagem só é permitida após o período de floração e essas reservas estão fechadas durante cinco meses do ano, incluindo os meses de Primavera.
Reserva para árvores florestais, por exemplo, Juniperus procera, Acacias spp., Haloxlon persicum. Corte só é permitido para grandes emergências ou necessidades agudas [6].
Reservando uma floresta no intuito de parar a desertificação de uma invasão de área ou duna de areia [7].
 
  1. O Hima na Arábia pré-islâmica

 

Figura 4: Vista aérea do Hima Dhariya na grande área de planalto Najd, uma região na Península Arábica, que fica a leste do Hijaz e Asir (pela equipe de deserto, de julho de 2007).
 A instituição de Hima, que remonta a Arábia pré-islâmica, parece ter uma origem secular. Para proteger seus rebanhos dos maus efeitos da seca, os poderosos senhores nômades costumavam reservar para si o pastoreio e os direitos de rega em certas pastagens ricas [8]. Como afirmado por Llewellyn: "Um bom governante ou chefe tribal, presumivelmente, teria usado o Hima para fins relacionados ao bem-estar de seu povo, no entanto, de acordo com  al-Shafi (falecido em 820 dC), a instituição pré-islâmica do Hima foi amplamente considerada pelas pessoas comuns como instrumento de opressão "[9]. Isto foi mencionado por historiadores muçulmanos medievais, quando se discute as regras islâmicas da Hima, ao comparar seu status antes e após o período islâmico [10].
Um famoso incidente ocorreu quando o chefe Kulayb, tendo apropriado de certos prados, teria fixado os limites de sua Hima os pontos ao alcance da voz de seu cão. Uma estranha camela se desviou para o meio do seu rebanho, ele atirou uma flecha que a feriu mortalmente. Em represália, o seu irmão-de-leite o matou. Esse foi o evento originário da guerra Bas?s 40 anos [11].
Embora seja provável que o Hima tenha origem secular, às vezes ele era colocado sob a proteção da divindade tribal.
Em seguida, foi assimilada com uma zona inviolável (Haram ou Harim) [12], em cujos privilégios participaram. Sua fauna e flora foram protegidas; e ali se gozava do direito de asilo. Alguns seriam áreas invioláveis, como relatados na literatura."Os animais dentro do Hima pastavam lá com segurança, e ninguém se atreveu a matar ou roubá-los. Os animais desgarrados que atravessaram a fronteira ficaram perdidos de seu dono, para que eles, em seguida, ficassem sob a tutela de Hima". [13].
 
  1. Hima no Islam
O Islam promoveu esta instituição mas, ao fazê-lo, revogou as práticas anteriores, transformado as funções do Hima - que passou a ser caracterizado por uma grande flexibilidade.
Para ser válida na lei islâmica, o Hima tinha que cumprir quatro condições, que foram derivadas das práticas do Profeta e dos califas anteriores.
Deve ser constituída pela autoridade de governo islâmico legítimo; e deve ser estabelecido no caminho de Deus, isto é, para fins relacionados com o bem-estar geral.
A área a ser declarada como Hima não deve ser tão grande, de forma a causar dificuldades inaceitáveis ?à população local, e não deve privá-los de recursos indispensáveis.
Ela deve realizar maiores  e reais benefícios à sociedade, mais do que malefícios. O principal objetivo da Hima era o benefício econômico e ambiental das pessoas [14].

Figura 5: Vista de Matali 'perto Amra, em uma região Hima na Península Arábica.
 
O califa Omar ibn al-Khattab (reinou 634-644 dC) instruiu o gerente de Rabadhah Hima, dizendo: "Levante sua asa do povo  e preste atenção a queixa do oprimido, por isso será ouvido por Allah; vamos  permitir para aqueles que são dependentes de seus camelos e ovelhas  e  assim afastar o gado de 'Awf e Ibn' Ibn Affan (dois ricos Companheiros do Profeta) [15], pois eles podem retornar para suas palmeiras e campos, se o gado  perecer. Considerando  os necessitados, se o seu gado morrer, virá a mim chorando (ou seja, a pedir ajuda financeira). É mais fácil para mim dar-lhes pasto, do que gastar com eles ouro ou prata. Na verdade, é a sua terra, pela qual lutaram no tempo da ignorância (ou seja, antes do Islã) e sobre a qual eles abraçaram o Islã ". Ele também disse: "Toda a propriedade pertence a DEUS e todas as criaturas são servos de DEUS, mas por DEUS, se não carregar sobre  a causa de DEUS, eu não teria reservado espaço de um lado da terra." [16].
O profeta Muhammad estabeleceu o Hima de al-Naqi "perto de Medina para a cavalaria, fez Meca e Medina dois santuários invioláveis ??(haram). A caça foi proibida dentro de um raio de quatro milhas ao redor Medina, e da destruição de plantas dentro de doze.
Os califas que o sucederam estabeleceram Hima adicional para a cavalaria, os camelos alocados para a caridade e ao gado dos pobres [17].
Regras fortes foram estabelecidas pelo Profeta Muhammad e primeiros califas sobre o Hima. O Profeta disse: "Ninguém tem o direito de declarar um lugar como Hima, exceto Deus e Seu Mensageiro". Desta forma, Hima tornou-se um símbolo de reparação e restauração da justiça e adquiriu um status semelhante a uma zona inviolável (haram ou Harim), na medida em que denotava um santuário, com sua flora e fauna que recebem proteção especial [18].Durante o reinado de Omar Ibn Al-Khatab, o companheiro e comandante Saad Ibn Abi Waqqas encontrou um homem escravo  que cortava as árvores do Hima.  Vencendo-o, levou o machado do homem consigo; uma senhora, parente do homem, foi para o califa reclamar com ele sobre o que Saad tinha feito a ela.
Omar disse: "Saad, devolva o machado e roupas, e a misericórdia de Deus esteja com você”
Saad recusou dizendo:  Eu não darei o que o Profeta concedeu para mim mas, se você quiser, eu posso reembolsá-lo pelo  seu custo". Em seguida, Saad disse aos participantes que ouviu o profeta dizer: "Todo aquele que encontrar  alguém  cortando no Hima, ele deve bater o cortador e confiscar suas coisas." Saad usou o machado em sua fazenda até  falecer. (em 675 EC) [19].
Da mesma forma, se alguém fosse pego invadindo e violando o regulamento Hima, era severamente espancado pelo califa Omar ibn 'Abdul'az?z (r. 718-720 EC) [20].
Em Medina, quando o Companheiro  Ab? Sa 'Id al-Khudri (d. 693) encontraram um pássaro nas mãos de alguns jovens, ele o pegou deles e deixou ir livre. Isso aconteceu em outras duas ocasiões, uma vez com o Companheiro Zayd ibn Thabit (d 665.) E outro com "Ubadah ibn al-Samit (d. 654). Abu Ayyub al-Ansari (. D 672) viu alguns meninos sitiando uma raposa em algum canto; ele expulsou-os dizendo: "É isto Haram do Mensageiro de Deus?!" Ab? Hurayrah (d 679.) Costumava dizer: "Se eu ver gazelas em Medina, eu não irei incomodá-las" [21].
 
Notas e Referência:
[5] Omar Draz, "O Hema na Península Arábica", al-'Arabi (Kuwait), em árabe, 211 (Junho de 1976), pp. 52-9.
[6] S. Nomanul-Haq, "o Islã e Ecologia: Rumo a Recuperação e Reconstrução", no Islã e Ecologia, editado por RC Foltz et al. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 2003, pp 121-54..
[7] O. Draz, op. cit., "O Hema", p. 55.
[8] J. Chehod, "Hima", op. cit., p. 393.
[9] OA Llewellyn, "a base para uma Disciplina de Direito Ambiental islâmico", no Islã e Ecologia, op.cit, pp 185-247..; na p. 212.
[10] A. al-Samh?d?, Akhbar al-bi Waf? Waf? 'Dar al-Mustafa [sobre a história de Medina]. Cairo: Sa'?dah Press, 1954, vol. 3: p. 1087.
[11] J. Chehod, "Hima", op. cit., p. 393.
[12] Na Arábia pré-islâmica, o termo haram foi utilizado para definir as zonas de Hima invioláveis. No Islã o mesmo termo se tornou específico para definir Meca e Medina como santuários invioláveis, ??dentro do qual a lesão de animais e plantas selvagens é proibida. O termo Harim significa zonas invioláveis, ??dentro do qual o desenvolvimento é proibidos ou limitado, para evitar o comprometimento de utilitários e recursos naturais. Em jurisprudência islâmica, cada cidade e aldeia devem ser cercadas por uma zona inviolável, dentro da qual o direito de adquirir terrenos baldios, através do seu desenvolvimento, é restrito. Estas terras comuns municipais, devem ser geridas pelas pessoas do povoado para prover suas necessidades, como a forragem, lenha e similares, e para facilitar a utilização e desenvolvimento dele, da maneira mais favorável ao seu bem-estar em longo prazo. Fontes de água, tais como mares e lagos, rios, nascentes, poços, cursos de água e utilitários, tais como estradas e praças devem ter zonas invioláveis, ??que se assemelham a servidões, para evitar sua deficiência, facilitar a sua utilização e manutenção e impedir perturbações e perigos. As autoridades governamentais têm o direito e a obrigação de impedir a violação destas zonas. Veja Abubakar Ahmed Bagader et al., De Proteção Ambiental no Islã, 2ª edição. Gland, Switzerland: IUCN-The World Conservation Union, 1994.
[13] J. Chehod, "Hima", op. cit., p. 393.
[14] S. Nomanul-Haq, "o Islã e Ecologia: Rumo a recuperação", op. cit., p. 144; OA Llewellyn, "a base para uma disciplina ...", op. cit., p. 213.
[15] O termo "Companheiro" é utilizado para os seguidores do profeta Muhammad que foram contemporâneos dele e encontraram com ele.
[16] OA Llewellyn, "a base para uma Disciplina", op. cit., p. 213.
[17] Ibid, p. 212; MS al-Alusi, bulugh al-Arab al-f? Ahw?l'Arab [sobre as condições dos árabes]. Cairo, 1925, vol. 3: pp. 31-36.
[18] S. Nomanul-Haq, "o Islã e Ecologia: Rumo a recuperação", op. cit., p. 144.
[19] J. W. Bruce, bases jurídicas, op. cit., p. 49; M. ibn al-Athir (d. 1209), J?mi'al-usul f? ahadice al-Rasul [Compêndio de ditos do Profeta]. Damasco: Halawani Bookshop, 1970, vol. 9: pp. 309-312.
[20] Abu 'Ubayd al-Bakri, Mu'jam ma-'sta'jam min Asma' wa al-Buldan al-Maw?di '[Dicionário Geográfico]. Editado por Mustafa al-Saqqa. Cairo: Comité de Composição, Tradução e Edição, 1945-1951, vol. 3: p. 1035.
[21] Ibn al-Athir, al-usul Jami ', op. cit., vol. 9: pp. 311-312.