Contribuições Otomanas Para a Ciência e Tecnologia

ottoman geography astronomy 01Figura 1: A visão geral dos instrumentos astronômicos e a equipe do Observatório de Istambul com Taqi al-Din Rasid no trabalho. Fonte: Shahinshahnāme Istanbul University Library, F 1404, fol. 57a.

      A contribuição Otomana à ciência e tecnologia durante seus 600 anos de domínio está além do que se imagina. Este artigo é um breve resumo de algumas das atividades científicas Otomanas e instituições relacionadas que levaram ao renascimento da cultura, da ciência, e da aprendizagem na civilização em todo o mundo islâmico e além. Para instanciar as contribuições científicas Otomanas, o autor centra-se em dois exemplos significativos de astronomia e geografia no século XVI: a fundação do Observatório de Istambul e realizações de Taqi al-Din naquele observatório, confecção de mapas e cartógrafos como os famosos marinheiros Piri Reis, Saydi Ali Reis e Macar Ali Reis.

Salim Aydüz, PhD*

Tabela de conteúdos

1. Preparando o Cenário
2. Astronomia
3. Geografia
4. Conclusão

1. Preparando o Cenário

      Em sua história e desenvolvimento, as características inovadoras da ciência Otomana são óbvias e variadas. Embora os Centros Islâmicos mais antigos da ciência e da cultura tenham influenciado a tradição científica inicialmente Otomana, rapidamente chegou a um ponto em que ela própria podia influenciar esses centros antigos e servir-lhes como exemplo.

      As grandes mudanças na vida científica e educativa dos Otomanos foram alcançadas ao longo de um extenso período de tempo. Consequentemente, é difícil ligar as mudanças radicais na história Otomana à eventos específicos ou iniciar a partir de uma determinada data. Em geral, "o velho e o novo" existiram lado a lado. Para comprovar tal afirmação, a ênfase será colocada nesta seção sobre a formação e desenvolvimento da tradição científica clássica Otomana que foi baseada na tradição científica clássica Islâmica, incluindo a herança dos Seljuks e outros estados muçulmanos e turcos.

      O Império Otomano foi estabelecido como um pequeno principado na virada do século XIV e gradualmente expandiu-se para o Império Bizantino e outros estados Muçulmanos e não Muçulmanos. Sua autoridade atingiu o ponto mais alto no século XVI, e se tornou o estado mais poderoso do mundo. O Império se estendia da Europa Central ao Oceano Índico e durou muitos séculos, mantendo o equilíbrio de poder com a Europa moderna.

      Atividades científicas no estado Otomano surgiram e se desenvolveram em cidades da Anatólia do legado científico e instituições do período pré-Otomano de Seljuk e beneficiou-se das atividades de estudiosos que vieram do Egito, Síria, Irã e Turquestão, ou seja, dos substanciais centros científicos e culturais da época. Ao lado dos antigos centros de civilização islâmica, novos centros, como Bursa, Edirne, Istambul, Amasya, Skopje e Sarajevo floresceram durante o período Otomano. O desenvolvimento deste período formou o património que constitui a identidade cultural e legado científico da atual Turquia, bem como uma parte importante da história intelectual de vários países Balcãs, Oriente Médio e Norte-Africano. Os Otomanos também se beneficiaram bastante de seus súditos não Muçulmanos e vizinhos europeus, e forneceram condições de trabalho muito favoráveis a cientistas de diversas áreas, incluindo medicina, astronomia e matemática, convidando-os a realizar seus estudos em centros importantes da ciência e da cultura no mundo Islâmico. Contratar os serviços de cientistas e artistas tanto do oeste ou quanto do leste, conforme necessário, sem levar em conta a religião ou nacionalidade, era uma prática estabelecida e vantajosa no Império Otomano.

      Durante o período clássico, os cientistas e estudiosos Otomanos mostraram notável sucesso no desenvolvimento da ciência e foram capazes de produzir muitos em vários ramos. Este artigo fornece uma visão geral, com exemplos, da formação e desenvolvimento da ciência Otomana e atividades científicas nas áreas de geografia e astronomia.

      De épocas tão longínquas quanto o tempo do Profeta, sabemos que os Muçulmanos tinham necessidade astronômica, para a determinação do tempo, um fator importante nos deveres religiosos; e necessidade geográfica, para encontrar a direção da Caaba. O cálculo preciso dos tempos de oração, bem como do início e do final do jejum diário no mês do Ramadan, caem naturalmente dentro do domínio da astronomia. É verdade que, para os momentos de orações regulares, por exemplo, os Muçulmanos receberam instruções de direção aproximada e foi autorizada alguma liberade (latitude); regras simples relativas a estas questões poderão ser encontradas nas tradições. Desde o início do Islam, estudiosos Muçulmanos tinham que trabalhar sobre estes dois assuntos sob regras muito rígidas. Devido à proximidade dos campos, a maioria dos estudiosos Muçulmanos tinha um profundo conhecimento de ambas as ciências e eles produziram um número considerável de livros.


2. Astronomia


      Os estudos astronômicos na civilização Islâmica começaram nos mais primórdios tempos. A observação do sol e da lua e o cálculo dos horários da oração exigiam precisão. O observatório foi uma das mais desenvolvidas instituições da ciência e da aprendizagem no Islam e uma das marcas mais importantes da civilização Muçulmana. Não há dúvida de que o observatório, como uma instituição científica especializada, deve muito ao Islam. Pode-se, razoavelmente, dizer que foi no Islam que o observatório nasceu como uma instituição especializada, com um estatuto oficial e legal e com um local fixo onde a observação e outros trabalhos sobre corpos estelares foram sistematicamente realizados através da cooperação de vários cientistas.

      Já no início do século IX, o Califa Al-Ma'mun iniciou a tradição de fundar observatórios no Islam, ao fundar dois grandes observatórios, mas de curta duração, o Shammasiya em Bagdá e o Qasiyun em Damasco. Há outros oito exemplos de construção de observatórios oficiais estaduais plenamente desenvolvidos e elaborados no reino Islâmico até o século XVII.

      O Observatório Maragha, fundado em 1259 sob o patrocínio de Hulagu, foi uma das instituições mais elaboradas do seu tipo e cenário de importante trabalho. O Príncipe Ulugh Bey construiu outro observatório gigantesco em Samarcanda em 1420 e, finalmente, o Observatório Tophane em Istambul foi fundado por Murad III em 1577.

ottoman geography astronomy 02Figura 2: A figura do Sextante (mushabbaha bi'l-mon?tiq), um importante instrumento astronômico de Taqi al-Din. Fonte: alat al-rasadiya li-zij al-sh?hinsh?hiyya, Biblioteca do Museu do Palácio Topkapi, Hazine 452, fol. 14b.

2.1. Observatório de Istambul

    Na civilização Otomana, instituições científicas no campo da astronomia incluiam o gabinete do chefe-astrónomo (munajjimbashi), os muvaqqith?nes e o Observatório de Istambul. Embora se possa encontrar obras originais e traduzidas nos campos da astronomia e astrologia do período inicial, as primeiras obras de calendário só surgiram durante o reinado do sultão Murad II (1421-1451). Estes calendários foram preparados como almanaques do Palácio e não temos ideia sobre os autores. Eles continuaram a tradição astronômica Islâmica clássica neste campo, e combinaram as tradições de ambas as escolas Samarkand e Maragha em suas obras astronômicas. Ulug Bey zij, que foi preparado no observatório Samarkand, tornou-se um manual muito significativo para os astrônomos e astrólogos Otomanos.

      Os Otomanos organizaram bem as instituições astronômicas tal como o cargo de Chefe-astrônomo (munajjimbashilik) e cronometristas do tempo (muwaqqith?nas). Na administração Otomana do palácio, a pessoa encarregada de dirigir os astrônomos foi chamado munajjimbashi, que significa astrônomo-chefe. O cargo de Diretor astrônomo foi criado em algum momento entre o final do século XV e início do século XVI. O dever mais importante do Chefe-astrônomo foi a elaboração de calendários anuais. Eles eram responsáveis por determinar o início do jejum (ims?qiya) antes do mês de Ramadan e preparar horóscopos (z?yija) e tabelas astronômicas (z?js) para as pessoas do Palácio e funcionários de destaque.

       Os escritórios dos cronometristas (muvaqqith?nes) eram edifícios públicos localizados nos pátios das mesquitas ormasjids em quase todas as cidades. Muitos foram construídos pelos Otomanos especialmente após a conquista de Istambul e foram administrados pela fundação (Waqf) do complexo (külliye) e as pessoas que trabalhavam nas muvaqqith?nes eram chamadas de muvaqqit, ou seja, a pessoa que cronometrava o tempo, especialmente para os momentos de oração.
Além de outras instituições relacionadas à ciência, o observatório fundado em Istambul foi administrado pelo chefe astrônomo Taqi al-Din al-Rasid (d. 1585). O primeiro observatório Otomano também foi o último grande observatório da Civilização Islâmica. Com o apoio do Sultão Murad III, começou a construção do observatório de Istambul. Bem como a utilização dos instrumentos existentes de observação, Taqi al-Din inventou novos instrumentos, a fim de determinar os equinócios. Ele também desenvolveu e utilizou a gravidade e relógios de mola mecânicos e inventou uma bomba de seis cilindros (motor) para elevar a água de um modo contínuo. Além disso, ele escreveu mais de trinta livros de matemática, astronomia, mecânica e medicina.

      Taqi al-Din, que nasceu em Damasco em 1526, trabalhou por um tempo como qad?i e como professor, depois de completar os seus estudos em Damasco e no Egito. Enquanto esteve no Egito e em Damasco, produziu algumas obras importantes nas áreas de astronomia e da matemática. Em 1570, ele chegou a Istambul, do Cairo, e um ano mais tarde (1571-2) foi nomeado Chefe astrônomo (Munajjimbashi) após a morte do Chefe astrônomo Mustafa b. Ali al-Muwaqqit. Taqi al-Din manteve relações estreitas com muitos membros importantes do theulem? (acadêmicos) e estadistas, chefe entre os quais estava Hoca S?deddin, e foi apresentado ao Sultão Murad pelo Grand Vizir Mehmed Pasha Sokullu.

      Taqi al-Din informou ao Sultão Murad, que tinha interesse em astronomia e astrologia, que as tabelas astronômicas de Ulug Beg continha alguns erros de observação, resultando em erros nos cálculos baseados nessas tabelas. Taqi al-Din mostrou que estes erros poderiam ser corrigidos se novas observações fossem feitas e propôs que um observatório fosse construído em Istambul com este propósito. O Sultão Murad estava muito satisfeito em ser o patrono do primeiro observatório em Istambul e pediu que a construção começasse imediatamente. Ele também forneceu toda a assistência financeira necessária para o projeto. Nesse meio tempo, Taqi al-Din prosseguiu os seus estudos na Torre Galata, e continuou em 1577, no novo observatório parcialmente concluído, chamado Dar Al-Rasad al-Jad?d (o Novo Observatório).

      O observatório, que consiste em dois edifícios separados, um grande e um pequeno, foi construído em um local na parte superior de Tophane em Istambul. Taqi al-Din tinha os instrumentos utilizados nos antigos observatórios Islâmicos reproduzidos com grande cuidado. Além disso, ele inventou alguns novos instrumentos, os quais foram utilizados para fins de observação pela primeira vez. O observatório tinha uma equipe de dezesseis pessoas: oito "observadores" (r?sid), quatro secretários e quatro assistentes.

      O observatório foi projetado para atender às necessidades dos astrônomos e incluiu uma biblioteca em grande parte composta por livros sobre astronomia e matemática. Esta instituição foi concebida como um dos maiores observatórios no mundo Islâmico e foi concluído em 1579. Ele foi comparável ao observatório Uranienborg (1546-1601) de Tycho Brahe construído em 1576. Além disso, há uma notável semelhança entre os instrumentos de Tycho Brahe e os de Taqi al-Din, mas os de Taqi al-Din eram de qualidade superior. Quando comparados com os de seus astrônomos contemporâneos dinamarquêses, as observações de Taqi al-Din são mais precisos.

      Em tabelas astronômicas de Taqi al-Din, chamadas de Sidratu Muntaha'l-Afkar f? Malakut al-Falak al-Davv?r (Lotus de Culminação de Pensamentos no Reino de Esferas Rotativas), Taqi al-Din afirma ter iniciado suas atividades astronômicas em Istambul com 15 assistentes em 1573. O observatório continuou a funcionar até 22 de janeiro de 1580, data da sua destruição. Argumentos religiosos foram apresentados para justificar esta ação, porém, o motivo real teve raízes em certas lutas políticas internas.

2.2. Novos instrumentos de observação de Taqi al-Din

      Taqi al-Din inventou novos instrumentos de observação que foram adicionados aos já em uso para observação no mundo Islâmico. Entre os instrumentos inventados por Taqi al-Din no observatório estão os seguintes:

• A Sextante (mushabbaha bi-'l man?tiq): utilizada para medir as distâncias entre as estrelas. A mushabbaha bi-'l man?tiq de Taqi al-Din e a sextante de Tycho Brahe devem ser consideradas entre as grandes conquistas da astronomia do século XVI. A mushabbaha bi-l man?tiq é composta por três réguas. Duas delas estão ligadas como as réguas do triquetrum. Um arco está ligado à extremidade de uma das réguas. Taqi al-Din fez este instrumento para observar o raio de Vênus, que foi mencionado no décimo livro de Almagest.

• O instrumento com cordas (Dhat al-awtar): designa os equinócios de primavera e outono. Alguns astrônomos configuram um anel, o que não foi dividido, paralelo ao equador para designar este. O instrumento foi composto de uma base sob a forma de um retângulo e quatro colunas. Duas colunas foram definidas nesta base de modo que uma corda foi esticada entre elas. Uma delas era igual ao cosseno da latitude do país e a outra ao seno. Um furo foi feito em cada uma destas partes de acordo com esta proporção. Uma corda foi pendurada por estes furos com um prumo.

ottoman geography astronomy 03Figura 3: A figura de Dh?t al-awt?r. Fonte: ?l?t al-rasadiya li-z?j al-sh?hinsh?hiyya, Biblioteca do Museu do Palácio Topkapi, Hazine 452, fol. 13b.

• O relógio astronômico: Taqi al-Din utilizou um relógio mecânico, que fez para si mesmo para suas observações, e um marcador de madeira de parede, que ele montou no observatório. Ele escreveu em Os Instrumentos Astronômicos para a Mesa do Imperador: "O nono instrumento é um relógio astronômico. A declaração seguinte é uma memória de Ptolomeu: 'Eu teria sido capaz de estabelecer uma grande regularidade no método se eu tivesse sido capaz de medir o tempo com precisão.' Agora Taqi al-Din planejou, com a ajuda de Deus, o relógio astronômico pelo comando do Sultão, Deus perpetua seus dias dominantes. Assim, ele foi capaz de fazer o que Ptolomeu tinha deixado de fazer." Taqi al-Din diz em Sidrat al-muntah?: "Nós construímos um relógio mecânico com um marcador que mostra as horas, minutos e segundos e dividimos cada minuto em cinco segundos." Este é um relógio mais preciso do que os relógios anteriormente utilizados e é, consequentemente, considerado como sendo um dos mais importantes desenvolvimentos em astronomia aplicada do século XVI.

      Quando comparamos os instrumentos que Taqi al-Din utilizados em seu observatório com aqueles usados por Tycho Brahe, são na sua maioria semelhantes, mas alguns dos de Taqi al-Din são maiores e mais precisos. Ambos, por exemplo, utilizaram um quadrante mural (Libna) para as observações das declinações do Sol e das estrelas. Diz-se que Taqi al-Din preferiu o quadrante mural para o sextante Fakhri (Suds-i Fakhri) e dois anéis usados pelos astrônomos anteriores. O quadrante de Taqi al-Din era composto por dois quadrantes de bronze com um raio de seis metros; foi colocado numa parede e erguido sobre o meridiano. O Instrumento similar de Tycho Brahe tinha apenas dois metros de diâmetro.

      Em seu trabalho, Taqi al-Din integrou duas tradições de astronomia, as de Damasco e Samarkand. Sua primeira tarefa no observatório foi corrigir o livro Zij (Tabela Astronômica) de Ulugh Beg. Ele também realizou várias observações de eclipses do sol e da lua. O cometa que estava presente nos céus de Istambul por um mês durante setembro de 1578 foi observado dia e noite e os resultados das observações foram apresentadas ao Sultão. Como resultado dos novos métodos que desenvolveu e os equipamentos que inventou, Taqi al-Din foi capaz de abordar suas observações de uma forma inovadora e produzir soluções inovadoras para problemas astronômicos. Ele também substituiu a utilização de um sistema decimal por um sexagesimal preparado com tabelas trigonométricas baseadas em fracções decimais. Ele determinou o grau eclíptico como 23° 28' 40", que é muito próximo do valor atual de 23° 27'. Ele utilizou um novo método para calcular os parâmetros solares. Ele determinou que a magnitude do movimento anual do apogeu do sol foi 63 segundos. Considerando-se que o valor conhecido hoje é de 61 segundos, o método que ele usou parece ter sido mais preciso do que o de Copérnico (24 segundos) e Tycho Brahe (45 segundos). Taqi al-Din também escreveu o primeiro livro Otomano sobre máquinas automáticas, intitulado el-Turuq al-Saniyya fi'l-?l?t al-r?h?niyya.

      O observatório foi testemunha de uma grande quantidade de atividades dentro de um curto período de tempo. Observações lá empreendidas foram coletadas no tratado acima mencionado Sidratu Muntah?'l-Afk?r f? Malak?t al-Falak al-Davv?r.

2.3. Mustafa bin Ali Al-Muwaqqit

      Mustafa b. Ali al-Muwaqqit al-Sal?m? foi outro estudioso polígrafo Otomano essencial. Ele era bem conhecido na segunda metade do século XVI como astrônomo, matemático, geógrafo, relojoeiro (sa'atji) e muwaqqit (cronometrista). Ele deu contribuições valiosas nas áreas de astronomia e geografia, produzindo muitos livros dentre os quais aqueles sobre fabricação e uso de instrumentos astronômicos são particularmente importantes. Esses livros foram usados como livros didáticos em madrassas, e alguns deles foram copiados até meados do século XIX.

ottoman geography astronomy 04Figura 4: A figura do relógio astronômico. Fonte: ?l?t al-rasadiya li-z?j al-sh?hinsh?hiyya (T), Biblioteca do Museu do Palácio Topkapi, Hazine 452, fol. 16-A.

    Ele foi inicialmente cronometrista na Mesquita Yavuz Selim em Istambul e mais tarde tornou-se o chefe Astrônomo (munajjimbashi) por dez anos. Fez cursos de astronomia e tornou-se muwaqqit da Mesquita do Sultão Selim Muwaqqithana. Ele escreveu a maior parte de suas obras enquanto ocupava este posto. Ele inventou um novo instrumento para a observação astronômica chamado de " rub-i ?f?k? " (quadrante horizontal).

      Há 24 obras que são definitivamente conhecidas por terem sido escritas por ele; três em árabe, o resto em turco. Ao escrever na língua turca sobre questões astronômicas, tinha como objetivo fazer trabalhos astronômicos acessíveis nesta língua, que estava se tornando a linguagem científica do Império Otomano. Ele também produziu soluções novas e originais para problemas astronômicos. Portanto, suas ideias se tornaram amplamente difundidas entre os astrônomos, muwaqqits e outras pessoas educadas. Em particular, o seu livro explicando instrumentos astronômicos foi muito popular entre aqueles interessados em astronomia. Além de astronomia, ele também escreveu três tratados de geografia: Hallu D?'irati Mu'addil al-Nah?r, I'lam al-‘Ib?d f? A'l?m al-Bil?d I'l?m al-‘Ib?d f? A'l?m al-Bil?d e Kifay?t al-Wakt li Ma'rifat al-D?'ir wa Fazlih? wa al-Samt.


3. Geografia


     Tal como no campo da astronomia, os Otomanos continuaram a tradição clássica no campo da geografia. Os Otomanos precisavam do conhecimento geográfico a fim de determinar as fronteiras de seu território em constante expansão e estabelecer controle sobre as atividades militares e comerciais. Eles fizeram uso de ambas as obras geográficas: as dos geógrafos Muçulmanos anteriores e as de origem europeia. Ao acrescentar suas próprias observações, os geógrafos Otomanos também produziram material original. A escola Samarkand de geografia e astronomia forneceu as fontes primárias para o conhecimento Otomano de geografia, cartografia e áreas afins. A partir do século XVI em diante, Piri Reis, Matrakci Nasuh, Sayd? Ali Celebi e outros estudiosos produziram trabalhos geográficos notáveis.

ottoman geography astronomy 05Figura 5: Amostras extraídas de Mustafa b. Ali al-Muwaqqit's I'lam al-'Ib?d f? A'l?m al-Bil?d. Fonte: Kandilli Rasathanesi El Yazmalari 1: Türkçe Yazmalar, proje sorumlusu: Günay Kut, ?stanbul: Bo?aziçi Üniversitesi Yayinevi, 2007, p. 538.

3.1. Piri Reis

      O geógrafo Otomano mais proeminente foi Muhiddin Piri Reis (d. 962 pós Hijrah/1554 DC), que também produziu trabalhos originais nas áreas de geografia e navegação marítima na corte de Selim I e Suleyman, o Magnífico. Ele estava interessado pela ciência da cartografia e completou um mapa do mundo em 1513 DC. Este mapa é parte do mapa do mundo em grande escala preparado em duas partes em uma pele de gazela, das quais apenas a parte ocidental é preservada. Foi elaborado com base em ricos e detalhados projetos e mapas europeus, incluindo o mapa da América de Colombo. Este foi o primeiro mapa Otomano que incluiu informações preliminares sobre o Novo Mundo, retrata o sudoeste da Europa, o noroeste da África, sudeste e América Central. O mapa tem a forma de um "portland" tipo de mapa que não contém linhas de latitude e longitude, mas inclui linhas costeiras e ilhas e serve para familiarizar o indivíduo às várias regiões do mundo.

      Piri Reis também desenhou um segundo mapa do mundo em 1528 DC, que apresentou a Süleyman, o Magnífico. Apenas a parte que descreve o hemisfério ocidental sobrevive. É a cores e tem figuras ornamentais sobre as margens com notas explicativas. O que resta do mapa mostra a parte norte do Oceano Atlântico e as regiões recentemente descobertas do Norte e América Central. Ele mostra quatro rosas do vento e o Trópico de Câncer, que não foi mostrado em seu primeiro mapa do mundo e aparecem neste mapa. As escalas utilizadas no segundo mapa são maiores do que no primeiro. O desenho dos litorais mostra uma grande melhoria na técnica e também tem uma estreita semelhança com a concepção moderna dessas áreas. Às seções pedregosas e rochosas são dadas cuidado especial.

      Piri Reis também escreveu um livro sobre geografia marinha intitulado Kit?b-i Bahriye (Livro do Mar, 1521). Neste trabalho, ele apresenta desenhos e mapas das cidades do Mediterrâneo e costas do Mar Egeu, e dá muitas informações sobre navegação e astronomia náutica. O livro contém 209 capítulos com 215 mapas, gráficos e imagens para dar conta exata das costas e ilhas do Mediterrâneo e do Mar Negro, juntamente com uma descrição dos mares. Basicamente, o livro é uma espécie de guia para a navegação e é fundamentado em suas observações pessoais. Ele reuniu todas as informações anteriores sobre o assunto, mas adicionados outros conhecimentos práticos necessários para os marinheiros nas mais importantes rotas costeiras, e desenhou mapas grandes para cada capítulo. Desta forma, o livro tornou-se não só um guia simples, mas também o maior portulano Otomano contemporâneo Otomano com as técnicas mais avançadas de cartografia.


3.2. Seydi Ali Reis

      Outra personalidade marcante foi o almirante Otomano, geógrafo, astrônomo e poeta Seydi 'Ali Reis (também conhecido como K?tib? ou Katib-i Rumi) (d. 1562), que era um especialista em geografia marinha. Ele escreveu livros sobre geografia, matemática e astronomia que mostram a sua experiência e conhecimento científico e de navegação. Suas obras, escritas em turco, são traduções principalmente do persa ou árabe e lidam com a matemática, astronomia e navegação no Oceano Índico. Alguns de seus trabalhos foram traduzidos em muitas línguas. Além de geografia, ele também escreveu livros sobre matemática e astronomia. Ele escreveu um trabalho muito valioso em Turco, intitulado Kit?b al-Muh?t f? ‘ilm al-afl?k wa al-Abhur, bem conhecido como al-Muhit (O Oceano), contendo as informações astronômicas e geográficas necessárias para longa viagens marítimas, bem como suas observações próprias sobre o Oceano Índico. Depois de seu diário de viagem, este é o trabalho mais famoso de Sayd? 'Ali, e é baseado em obras árabes que lidam com navegação no Oceano Índico. O al-Muhit consiste em 10 seções das viagens e descobrimentos portugueses, incluindo a circunavegação do globo de Magalhães. O relato de Sayd? 'Ali aumenta a reputação do Sultão Otomano entre seus correligionários em todos os lugares que ele viajou, e demonstra a universalidade do elemento turco e da eficácia dos soldados turcos otomanos, que estavam na demanda em cada tribunal.

      Além deste trabalho geográfico, ele também escreveu dissertações sobre astronomia. O primeiro dos quais foi Mir'?t-i Kainat (O espelho do Universo), uma dissertação sobre as medidas e instrumentos astronômicos, aplicáveis, sobretudo, à arte da navegação por observação celeste. Este foi traduzido em muitas línguas. Seu segundo livro sobre astronomia foi Hul?sat al-hay'a (Essência da Astronomia), uma dissertação sobre geometria e matemática contendo a tradução de 'Ali al-Fathiyya Qushji f? al-Hay'a, enriquecida com trechos de Chaghm?n? e Kadizade-i Rumi. Seus outros livros sobre astronomia são: Risala-i Dhat al-Qurs? uma dissertação sobre astronomia e alguns instrumentos de astronomia; Risala-i mir'at-i k?'inat min al?t -i irtifa', que é chamado de Espelho do Universo de acordo com instrumentos para medir altitude. Seus outros trabalhos são: Risala-yi hay'at (Dissertação sobre Astronomia); Sayahat-n?ma-yi asturlab rub' mujayyab ‘amal bi'l-jayb muqantar?t da'ira al-mu'addal dh?t al-kurs? (Livro de Viagens Sobre o Astrolábio, Sino Quadrante, Círculo Equatorial, e o Instrumento com um Trono); Risala-i Da'irat al-Mu'addil; Risala-i Asturlab and Risala-i Rub'i Mujayyab.

ottoman geography astronomy 06Figura 6: Primeiro mapa de Piri Reis apresentado ao Sultão Selim I. Fonte: Topkapi Palace Museum Library, H. 1824.

      Outro importante estudioso polímata Otomano foi Matrakci Nasûh b. Karagöz al-Bosnaw? al-Silah? . Ele era conhecido no século XVI como matemático, historiador, geógrafo, cartógrafo, topógrafo, mosqueteiro, um soldado excepcional, calígrafo e engenheiro. Ele deu contribuições nas áreas de geografia, matemática, história, arte militar e caligrafia e produziu livros importantes. Ele também inventou um jogo gramado militar chamado "Matrak". Matrakçi Nasuh foi uma importante figura no campo da geografia descritiva. Seu primeiro livro importante foi Bay?n-i Man?zil-i Safar Iraqayn (Declaração de acampados locais das duas expedições do Iraque) foi em Turco. Suas miniaturas que mostram as estradas que ligam Istambul, Tabriz e Bagdá são como mapas. Sua história da campanha de 1534-1536 para o Irã e o Iraque inclui um fólio duplo que descreve Istambul, com todas as estruturas contemporâneas da cidade mostradas em notáveis detalhes. O Chifre de Ouro corre verticalmente no centro, separando a seção Gálata com a sua famosa torre (à esquerda) da cidade propriamente dita (à direita), que inclui tais estruturas importantes como o Palácio Topkapi, a Hagia Sophia, At Meydani (Hipódromo), o Grande Bazar, o Palácio Velho, e o complexo de Mehmed II (kulliya). Um documento importante para o estudo de Istambul, em 1530, a ilustração é um exemplo do gênero topográfico da pintura iniciada por Nasuh que perdurou por séculos.

ottoman geography astronomy 07Figura 7: O mapa de Istambul. Fonte: Matrakci Nasuh, Bay?n-i Man?zil-i Safar Iraqayn. Fonte: Istanbul university library. T 5964.

      Os mapas terrestres de Matrakçi são considerados iguais aos mapas marítimos portland de Piri Reis encontrados em seu Kit?b-i Bahriye . Duas outras obras de Matrakçi, contendo miniaturas, são importantes do ponto de vista geográfico. Em uma, chamada Ta'rikh-i Fath-i Shiklos wa Estergon wa Istolnibelgrad, Matrakçi desenhou as pousadas entre Istambul e Budapeste, bem como as cidades de Nice, Toulon e Marselha durante as visitas dos Bárbaros e da frota Otomana com a qual ele veio.

     Como membro da administração, Nasuh acompanhou Suleyman, o Magnífico, em várias campanhas, registrou cuidadosamente os eventos e ilustrou as cidades e portos conquistados pelos Otomanos. Ele participou da campanha Mohaç (1526) e as duas expedições de Suleyman à Bagdá. Pintou o retrato de cada cidade por onde o exército passado ou esteve aquartelado.

ottoman geography astronomy 08Figura 8: O mapa do mundo de T?rih-i Hind-i Garb? . Fonte: Biblioteca Beyazit, MS 4696.

     Outra obra do século XVI na área da geografia que contém informações sobre as descobertas geográficas e o Novo Mundo (América) é o livro intitulado T?rih-i Hind-i Garb? (História das Índias Ocidentais), provavelmente escrito por Muhammad b. Amir al-Suûd? al-Niksar? (d. 1591) no século XVI. Este trabalho, com base em fontes geográficas da Espanha e Itália, foi apresentado ao Sultão Murad III em 1573. É importante mostrar que os Otomanos sabiam sobre as descobertas geográficas do Ocidente. O trabalho tem três partes; mas o peso real, que consiste de dois terços do livro, está na terceira parte, onde a descoberta de Colombo, da América e as conquistas europeias durante o período de sessenta anos entre 1492 e 1552 estão relacionadas. Tarih-i Hind-i Garb? conta as incríveis histórias das explorações e conquistas de Colombo, Cortes, Pizarro, e outros, e também se esforça para incorporar a nova informação geográfica ao corpo do conhecimento Islâmico. Apresenta um grande esforço de um estudioso Muçulmano Otomano, quase único no século XVI; primeiramente, para transmitir informações através da tradução de uma cultura (cristandade europeia) para outra (Islam Otomano), e em segundo lugar, para corrigir e ampliar a geografia e cartografia Islâmica.

      Na Biblioteca do Museu do Palácio Topkapi (Hazine 644), Istambul, há um Atlas intitulado "Ali Macar Reis Atlas". O atlas é composto por seis mapas portolan e um mapa-múndi, todos em páginas duplas, ou seja, há quatorze páginas. Eles são desenhados em folhas de pergaminho e encadernados em couro, formando um pequeno volume apelativo. Como uma obra de arte, este atlas certamente está entre os mais bem sucedidos. O artista cartógrafo que desenhou esses mapas deve ter sido profissionalmente ligado aos que desenharam outros mapas semelhantes na Europa Cristã; e a perfeição artística deste atlas argumenta fortemente contra isso ter sido trabalho isolado de um capitão, que só teria imitado tais modelos; o autor deve ter sido um artesão com grande experiência neste tipo de trabalho.

Link da imagem:
http://muslimheritage.com/sites/default/files/ottoman_geography_astronomy_09.jpg
Figura 9: Mapa do mundo em Ali Macar Reis' Atlas. Fonte: Biblioteca do Museu do Palácio Topkapi H. 644 (1577/3594).

     A cartografia parece ter sido organizada como uma profissão no Império Otomano; por exemplo, no século XVII, quinze pessoas estavam ocupadas com a arte da topografia, em oito locais de Istambul e áreas próximas. Geógrafos Otomanos foram capazes de obter informações sobre o Ocidente e o Oriente, num momento em que não havia mapas do Oriente disponíveis na Europa. Isso indica que os Otomanos eram mais avançados nesta área do que se pensava anteriormente.

      As contribuições Otomanas à geografia, incluindo cartografia são muito significativas, vastas, em conteúdo e tem um lugar definitivo na história da geografia. Também é verdade que, enquanto os árabes influenciaram principalmente os turcos, estes não os seguiam cegamente. Geógrafos Otomanos, especialmente cartógrafos, deram algumas contribuições muito significativas e pode ser dito que constituíram uma ponte entre a cartografia Islâmica medieval e a cartografia moderna.


4. Conclusão

      As contribuições Otomanas à ciência e tecnologia durante 600 anos ao longo de um enorme domínio estão além da medida. A descrição acima é apenas um breve resumo de algumas das atividades científicas Otomanas e instituições relacionadas que levaram ao renascimento da cultura, da ciência, e da aprendizagem nas civilizações em todo o mundo. Existem muitos trabalhos excelentes que podem nortear futuros pesquisadores interessados no assunto. Oportunidades para um estudo mais aprofundado abundam, como os exemplos apresentados neste artigo certamente poderiam ser alargados para abranger uma maior percentagem das vastas contribuições Otomanas feitas por mais de seiscentos anos. A clássica tradição científica que produziu seus melhores trabalhos no período mais nobre do Império foi estabelecida nas instituições científicas e educacionais que foram brevemente mencionadas nos círculos acadêmicos estabelecidos e desenvolvidos em torno destas instituições. Ainda assim, a tradição clássica Otomana foi preservada durante esta segunda fase da ciência Otomana, quando muitas mais traduções e transferências foram feitas de línguas europeias, e sobreviveu com alguns dos seus elementos básicos até a segunda metade do século XIX.


por: Salim Ayduz

* Pesquisador Sênior da Fundação para a Ciência, Tecnologia e Civilização (FSTC) e Professor Visitante na Universidade de Manchester e Professor Associado da Universidade de Fatih, em Istambul. Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..


You have no rights to post comments