"Se houvéssemos feito descer este Alcorão sobre uma montanha, vê-la-ias humilde..."

 

 

Explicado pelo Shaykh Uthaymin

 

 

A segunda ayah: A afirmação Dele:

"Se houvéssemos feito descer este Alcorão sobre uma montanha, vê-la-ias humilde, rachada, por receio de Allah.” [Surah al-Hashr (59):21]

 

Dentre as coisas mais duras que existem está a montanha, as rochas pelas quais as montanhas tornam-se firmes são um exemplar de dureza. Allah, Exaltado seja, diz:

“Em seguida, depois disso, vossos corações se endureceram e se tornaram como as pedras, ou mais veementes na dureza.” [Surah al-Baqara (2):74]

 

Se este Qur’an fosse enviado a uma montanha, tu certamente a verias humilhando-se e fragmentando-se por temor a Allah. “...humilde...”- ou seja, submetendo-se. E de seu profundo medo de Allah rasga-se em pedaços, fende-se e se destroça.

 

E ele é enviado aos nossos corações, e eles - a não ser pela vontade de Allah - contraem-se e tornam-se duros, nem se abrindo, nem aceitando [ou seja, os corações não se abrem para receberem a mensagem do Qur’an, nem a aceitam].

 

E quanto aos crentes, quando as ayat (do Qur’an) lhes são enviadas, aumenta-lhes a fé, mas quanto aos que possuem uma doença em seus corações, elas adicionam-lhes sujeira às suas imundícies; refugiamo-nos em Allah! Isso significa que seus corações se tornam mais inflexíveis e endurecidos, o que adiciona sujeira às suas imundícies. Buscamos refúgio disso em Allah.

 

Se este Qur’an fosse enviado à uma montanha, ela se racharia e humilhar-se-ia devido à grandeza das palavras de Allah a ela enviadas. Nisso, há a evidência de que as montanhas possuem juízo, porque elas se humilham e fendem-se. É desta forma. O Profeta (sallAllahu 'alayhi wa salam) disse, com relação a Uhud:

“Esta é Uhud, uma montanha que nos ama, e a qual amamos.” [1]

 

Com este hadith, reconhecemos inclusive a refutação contra aqueles que afirmam que existem metáforas no Qur’an. Aqueles que sempre levantam suas bandeiras, usando a ayah a seguir como prova:

“Então, aí, encontraram ambos um muro prestes a [querendo(a)] desmoronar-se (...)” [Surah al-Kahf (18):77]

 

Dizendo: “Como pode o muro querer?” Dizemos: “SubhanAllah! O Sabedor e Conhecedor diz: “Querendo desmoronar” e você está dizendo que Ele não quer! Isso é sensato? Depois disso não tens o direito de dizer: “Como ele pode querer? ” Isso faz com que nos perguntemos: Foi-nos dado o conhecimento de tudo? A resposta é que não nos foi dado exceto um pouco de conhecimento.

 

Não é possível que objetemos a afirmação “...querendo desmoronar”, Daquele que sabe o oculto e o presenciado dizendo: “O muro não tem um Iradah (um querer)! E ele não quer desmoronar!”

 

Esta é uma das metáforas malignas, porque isso implica em uma negação daquilo que o Qur’an afirma. Acaso não é Allah, Exaltado seja, que diz:

“Os sete céus e a terra e quem neles existe glorificam-nO. E não há cousa alguma que O não glorifique, com louvor, mas vós não entendeis sua glorificação.” [al-Isra (17):44]

 

Por acaso eles glorificam-nO sem assim quererem?

 

Ele diz: “Tusabbih Lahu (glorificam-nO): o Lam [como é chamada a letra L em árabe] é para especificar [portanto, lahu neste exemplo está especificando que tusabbih, ou seja, a glória, o louvor, pertencem a Allah], por vontade própria, sinceramente. Será que é possível imaginar ter sinceridade sem um Iradah (vontade, meta, desejo)? Portanto, eles desejam, e tudo deseja, porque Allah diz: “E não há cousa alguma que O não glorifique com louvor...”. Acredito que está claro para todos nós que esta é uma das maneiras de expressar generalidade, porque In (aqui) significa Ma (não), o que também nega. Também, “cousa” é um pronome indefinido usado no contexto de negação. “Que O não glorifique com louvor” significa que isso inclui tudo (OBS: a [transliteração da] ayah em árabe é como se segue: “Tusabbihu lahu assamawatuassabAAu wal-ardu waman feehinna wa-in minshay-in illa yusabbihu bihamdihi walakinla tafqahoona tasbeehahum innahu kana haleemanghafoora”, então o autor está falando das palavras em árabe que identificam que tudo glorifica a Allah.)

 

Ó, meu irmão muçulmano, se vires que o teu coração não é tocado pelo Qur’an, culpe a si mesmo, porque Allah informou que se este Qur’an fosse enviado à uma montanha, ela se partiria por causa de seu conteúdo, e o Qur’an é recitado ao teu coração, e ainda assim ele não é tocado. Pedimos a Allah que ajude a nós e a vós.

 

Referências:

[1] Relatado por Al-Bukhari (4422) e Muslim (1392) de Abu Humaid As-Sa’idi, radiAllahu’anhu

Transcrito de: Al-‘Aqidah Al-Wasitiyyah – Shaykh Muhammad bin Salih Al-‘Uthaimin, Dar-us-Salam Publications, Vol-1 pg. 589-592

(a): Este artigo foi traduzido da língua inglesa. Dessa forma, na tradução inglesa, a expressão usada é "... a wall wanting to collapse...", enquanto que a tradução portuguesa do Qur'an usado (de Helmi Nasr) interpreta o mesmo versículo de forma diferente, ficando assim, "...um muro prestes a desmoronar-se...”, o que não faz referência ao verbo "want (querer)".

 

 

Fonte: Abdurrahman.Org

Tradução e Adaptação: Islane Castelo


You have no rights to post comments