A Obrigatoriedade e Excelência do Hajj

 

 

Riyad-us-Saliheen de Imam Al-Nawawi

Capítulo 233:

A Obrigatoriedade e Excelência do Hajj (Peregrinação)

 

Allah, o Altíssimo, diz:

“E, por Allah, impende aos homens a peregrinação à Casa, a quem até ela possa chegar. E quem renega isso, saiba que, por certo, Allah é Bastante a Si mesmo, prescindindo dos mundos.” (3: 97)

 

 

1271. Ibn ‘Umar (radhiAllahu 'anhum) relatou: o Mensageiro de Allah (salallahu ‘alayhi wa salam) disse, “(A superestrutura do) Islam é baseada em cinco (pilares), testemunhar o fato de la ilaha illallah wa anna Muhammad-ar-Rasul-ullah [não existe verdadeiro deus exceto Allah, e Muhammad (salallahu ‘alayhi wa salam) é o Mensageiro de Allah], estabelecer as-Salat (as orações), pagar Zakat (devido ao pobres), a peregrinação à Casa [de Allah (Ka’bah)], e o Sawm (jejum) durante o mês do Ramadan.”

[Al-Bukhari e Muslim]

 

Comentário: Este hadith já havia sido mencionado anteriormente. Foi aqui repetido a favor da obrigação do quarto pilar do Islam. Assim, Hajj é compulsório para o indivíduo que preencha as qualificações requeridas e que tenha os meios para tal.

 

 

1272. Abu Hurairah (radhiAllahu 'anhu) relatou: o Mensageiro de Allah (salallahu ‘alayhi wa salam) proferiu um khutbah e disse, “Ó povo! Foi-vos incumbido o Hajj (peregrinação à Casa de Allah), portanto efetuem-no.” Um homem perguntou: “Ó Mensageiro de Allah, é prescrito todos os anos?” Ele (salallahu ‘alayhi wa salam) permaneceu em silêncio até que o homem repetiu a pergunta por três vezes. Depois ele (salallahu ‘alayhi wa salam) respondeu, “Se eu tivesse respondido em afirmativo, certamente ter-se-ia tornado obrigatório, e não serias capaz de o cumprir.” Mais tarde ele disse, “Desde que eu não vos imponha com algo, então não me perguntem por ele, pois aqueles que vieram antes de vós foram destruídos devido ao seu frequente interrogatório e à sua discórdia com os seus Profetas. Assim, quando eu vos ordenar com algo, façam-no o mais que puderem; e quando eu vos proibir de algo, evitem-no.”

[Muslim]

 

Comentário: Este hadith apresenta os seguintes pontos:

  1. Hajj é compulsório uma vez na vida para aqueles que têm os meios para tal.
  2. Questionar desnecessariamente é desagradável.
  3. Aqueles que creem em Allah e no Seu Profeta (salallahu ‘alayhi wa salam) são requiridos a fazerem aquilo que ordenam e a absterem-se daquilo que proíbem.

 

 

1273. Abu Hurairah (radhiAllahu 'anhu) relatou: Foi perguntado ao Profeta (salallahu ‘alayhi wa salam): “Qual é a melhor ação?” Ele (salallahu ‘alayhi wa salam) retorquiu, “Fé em Allah e no Seu Mensageiro.” De seguida foi perguntado: “Qual é a seguinte?” Ele respondeu,Jihad (luta) pela Causa de Allah.” Depois foi-lhe perguntado, “Qual é a seguir a esse?” Ele (salallahu ‘alayhi wa salam) replicou, Hajj Mabrur (uma peregrinação aceite).”

[Al-Bukhari e Muslim]

 

Comentário: Este hadith assinala o fato de que Hajj é um dos mais proeminentes atos religiosos, com a condição de que seja feito sinceramente e mantendo-se afastado de pecados. Algumas pessoas interpretaram a palavra “Hajj Mabrur” como um Hajj aceite. Elas dizem que o sinal de um Hajj aceite é que o indivíduo se torne num verdadeiro adorador de Allah, algo que anteriormente não seria.

 

 

1274. Abu Hurairah (radhiAllahu 'anhu) relatou: O Mensageiro de Allah (salallahu ‘alayhi wa salam) afirmou, “Quem quer que realize Hajj (peregrinação) e não tenha relações sexuais (com a sua esposa), nem cometa pecado, nem dispute injustamente (durante o Hajj), regressa do Hajj tão puro e livre de pecados como no dia em que a sua mãe o deu à luz.”

[Al-Bukhari e Muslim]

 

Comentário: O verdadeiro significado de “Rafath” é relações sexuais, mas também significa linguagem obscena e frívola e a expressão do desejo sexual do indivíduo à sua esposa. Uma vez que coito com esposa é proibido durante Hajj, então conversa com ela sobre este assunto ou falar por entretenimento é também desegradável. “Fisq” significa desobediência a Allah e brigas com as pessoas. O indivíduo deve evitar ambos durante o Hajj. O Hajj que é efetuado com todas estas restrições, tem o mérito que o indivíduo seja totalmente purgado de pecados. No entanto, esta purificação é de pecados que caem na categoria de pecados menores e que estão relacionados aos Direitos de Allah. Os pecados maiores relacionados aos Direitos de Allah e erros no que diz respeito aos direitos das pessoas não são perdoados sem arrependimento sincero e compensação ao ofendido.

 

 

1275. Abu Hurairah (radhiAllahu 'anhu) relatou: o Mensageiro de Allah (salallahu ‘alayhi wa salam) disse, “(A realização de) ‘Umrah é uma expiação para os pecados cometidos entre esta e a ‘Umrah anterior; e a recompensa para Hajj Mabrur (um Hajj aceite) é nada mais que Jannah.”

 [Al-Bukhari e Muslim]

 

Comentário: Este hadith diz-nos que o mérito de ‘Umrah é que serve como uma expiação para os pecados. Mas também serve como expiação para os pecados menores. ‘Umrah inclui assumir Ihram, circumbular a Ka’bah, caminhar entre as-Safa e al-Marwah e Halq ou Taqsir (raspar a cabeça ou cortar o cabelo). Quanto à ‘Umrah ser uma obrigação tal como o Hajj, é discutível entre os ‘Ulama’. Algumas pessoas, como Imam as-Shafi’i, consideram que é obrigatória; outros como os seguidores da corrente de pensamento Hanafi consideram-na Sunnah Mu’akkadah; outros, ainda, pensam que seja voluntário. Imam al-Bukhari é inclinado à primeira opinião, a qual é também endossada pelos narrações de alguns dos Companheiros do Profeta (salallahu ‘alayhi wa salam), sobre as quais alguns Muhaddtihun (estudiosos de Hadith) que até mesmo alegaram que essas narrações são Mansul, ou seja a cadeia dos narradores alcança o Profeta (salallahu ‘alayhi wa salam). (Para mais detalhes, por favor vide Fath al-Bari). Por outro lado, a opinião de que seja não-obrigatória é preferível.

 

 

1276. ‘Aishah (radhiAllahu 'anha) relatou: eu disse: “Ó Mensageiro de Allah! Consideramos ser Jihad a melhor ação, então não deveríamos ir para Jihad?” O Mensageiro de Allah (salallahu ‘alayhi wa salam) respondeu, “A melhor Jihad para vós mulheres, é Hajj Mabrur (um que é aceite por Allah).”

[Al-Bukhari]

 

Comentário: Em circunstâncias normais, Hajj é a melhor Jihad para as mulheres, porque no Islam, política, economia, governo, assuntos militares, etc., vêm no alcance dos homens e homens apenas. As mulheres são isentas de todos esses assuntos. Contudo, no caso de guerra, se surgir a necessidade, as mulheres podem-se encarregar de fornecer alimento, primeiros socorros aos feridos, etc., na frente interna, desde que possam fazer esses trabalhos sem ultrapassar os limites do véu Islâmico. Porém, participação no treino militar para as mulheres e expedí-las para frentes de guerra são puras imitações de nações ocidentais pelas quais não existe espaço nos ensinamentos do Islam. Este hadith também confirma esta opinião.

 

 

1277. ‘Aishah (radhiAllahu 'anha) relatou: o Mensageiro de Allah (salallahu ‘alayhi wa salam) afirmou, “Não há nenhum outro dia no qual Allah liberta mais servos do Inferno do que Ele faz no Dia de ‘Arafah.”

 

Comentário: Allah, o Onipotente, resgata mais dos Seus servos, tanto homens como mulheres do Fogo do Inferno neste grande dia. Milhões de peregrinos, que em virtude do seu sincero arrependimento, tentam buscar o Prazer de Allah, certamente ficam a ganhar o Perdão de Allah para os seus pecados e desse modo, emancipação do Fogo do Inferno. Que Allah nos conceda esta Sua graça.

 

 

1278. Ibn ‘Abbas (radhiAllahu 'anhum) relatou: o Profeta (salallahu ‘alayhi wa salam) disse, “(A realização de) ‘Umrah durante Ramadan é equivalente ao Hajj (peregrinação).” Ou disse, “Equivalente à realização de Hajj comigo.”

[Al-Bukhari e Muslim]

 

Comentário: “Equivalente à realização de Hajj significa a retribuição e recompensa pela qual Hajj é elegível. Não quer dizer que servirá como um substituto para Hajj e absolver o indivíduo da necessidade de o efetuar. Esta distinção de ‘Umrah no mês de Ramadan é talvez pela razão de que desta forma dois atos de adoração são combinados ao mesmo tempo.

 

 

1279. Ibn ‘Abbas (radhiAllahu 'anhum) relatou: uma mulher veio ter com o Mensageiro de Allah (salallahu ‘alayhi wa salam) e disse, “A obrigação de Allah sobre os Seus servos tornou-se obrigatória sobre o meu pai na sua velhice. O meu pai é muito idoso e incapaz de montar. Posso realizar Hajj em seu lugar?” Ele (salallahu ‘alayhi wa salam) respondeu, “Sim.”

[Al-Bukhari e Muslim]

 

Comentário: “Hajj tornou-se obrigatório na velhice” indica que quando Allah tornou Hajj obrigatório, o seu pai já havia alcançado a velhice, ou ele veio a possuir os meios na sua velhice que o fizeram ser apto para o Hajj, porém ele não é capaz de empreender a viajem por causa da sua saúde debilitada. Em tais casos, o Profeta (salallahu ‘alayhi wa salam) concedeu-lhes permissão para o Hajj através da representação. No entanto, aprendemos de outros ahadith que Hajj por representação pode apenas ser feito por uma pessoa que já tenha realizado Hajj. De modo semelhante, se uma pessoa com meios morre sem efetuar Hajj, é essencial que seja realizado em seu favor; caso contrário, será responsável por esta omissão. Esta situação não se aplica a pais que faleceram na pobreza porque não eram aptos para o Hajj. Se alguém o fizer por causa da recompensa, ele será, esperançosamente, concedido a recompensa do Hajj voluntário.

 

 

1280. Laqit bin ‘Amir (radhiAllahu 'anhu) relatou: fui ter com o Profeta (salallahu ‘alayhi wa salam) e disse; “O meu pai é um homem muito idoso e não tem forças para realizar Hajj (peregrinação) ou ‘Umrah, ou para empreender uma viagem.” O Profeta (salallahu ‘alayhi wa salam) disse, “Efetua Hajj e ‘Umrah em nome de teu pai.”

[Abu Dawud e At-Tirmidhi]

 

Comentário: Este hadith também salienta a permissão de Hajj através de representação, quando um indíviduo não é capaz de realizá-lo. No entanto, é essencial que o agente representante tenha já efetuado Hajj.

 

 

1281: As-Sa’ib bin Yazid (radhiAllahu 'anhu) relatou: eu tinha sete anos de idade quando fui levado para realizar Hajj (peregrinação). Isto foi durante o período em que o Mensageiro de Allah (salallahu ‘alayhi wa salam) realizou o Hajjat-ul-Wada’ (Peregrinação da Despedida).

[Al-Bukhari]

 

Comentário: Este hadith indica para o fato de que é permitido levar crianças ao Hajj. A recompensa do seu Hajj será concedida aos seus pais. Porém, depois de alcançar a maturidade o Hajj torna-se obrigatório sobre a criança, e será necessário para ela realizá-lo novamente porque aquele que realizou na infância, não lhe será suficiente. O motivo pelo qual levar as crianças ao Hajj é para lhes ensinar como efetuar esta obrigação.

 

 

1282. Ibn ‘Abbas (radhiAllahu 'anhu) narrou: o Profeta (salallahu ‘alayhi wa salam) deparou-se com uma caravana em Ar-Rauha’ e perguntou quem eram as pessoas no seu interior. Eles responderam que eram muçulmanos. Perguntaram: “Quem és tu?” Ele (salallahu ‘alayhi wa salam) disse, “Eu sou o Mensageiro de Allah.” De seguida, uma mulher ergueu um menino e perguntou: “Esta criança será creditada como tendo realizado Hajj (peregrinação)?”  Ele (salallahu ‘alayhi wa salam) respondeu, “Sim, e tu terás uma recompensa.”

[Muslim]

 

 

1283. Anas (radhiAllahu 'anhu) relatou: o Mensageiro de Allah (salallahu ‘alayhi wa salam) realizou a peregrinação num camelo sem sela, que também carregou as suas provisões (isto é, a sua Zamilah).

[Al-Bukhari]

 

Comentário: “Zamilah” é uma montaria como um cavalo, mulo, etc., na qual a bagagem é carregada durante uma viagem. O que significa aqui, é que o Profeta (salallahu ‘alayhi wa salam) viajou para Hajj em tal montaria, em que manteve a sua provisão para a jornada. Por outras palavras, era também a sua Zamilah. Este episódio aconteceu durante Hajjat-ul-Wada’ (Peregrinação da Despedida). Este hadith mostra a total humildade e modéstia do Profeta e o seu desprezo pela vida deste mundo. 

 

 

1284. Ibn ‘Abbas (radhiAllahu 'anhu) narrou: Ukaz, Mijannah e Dhul-Majaz eram mercados durante o período pré-Islâmico. Os Companheiros não gostavam de comercializar nesses mercados, até que a seguinte ayah do Nobre Qur’an foi revelada:

“Não há culpa sobre vós, ao buscardes favor de vosso Senhor em vossos negócios.” (2: 198)

[Al-Bukhari]

 

Comentário: Os Companheiros do Profeta (salallahu ‘alayhi wa salam) consideravam negócios e comércio durante o mês de Hajj como pecaminoso porque pensavam que comércio tinha uma espécie de semelhança com os bazares que eram organizados na ocasião do Hajj durante o período pré-Islâmico. Através da ayah citada neste hadith, Allah, o Poderosíssimo removeu esse mal entendido. Portanto, negócios e comércio nesta ocasião não violam Hajj e ‘Umrah. Isto, contudo, é apenas uma permissão. Se um indíviduo quiser ganhar a recompensa na Outra Vida através da sua máxima devoção a Allah, é mais louvável evitar atividades comerciais e concentrar-se sinceramente na lembrança de Allah e na Sua adoração.

 

 

 

Fonte: Abdurrahman.Org


You have no rights to post comments