Histórias de mulheres que se tornaram muçulmanas e deixaram seus maridos não-muçulmanos

 

 

Pergunta: Eu sei que as muçulmanas não são permitidas no Islam a se casarem com homens não-muçulmanos; há uma irmã numa lista de convertidos, que recentemente tornou-se muçulmana, e que estava perguntando o que fazer com relação ao seu marido não-muçulmano, que aceitou a sua conversão sem problemas, e também a permite educar seus filhos da maneira islâmica.

No entanto, quando ela pediu por um conselho, a maioria de nós disse-lhe que seu marido deve fazer a shahada (tornar-se muçulmano) ou ela, do contrário, não deveria permanecer casada com ele. Infelizmente, outras pessoas não acreditam e aconselharam-na de modo contrário; que ela deveria permanecer com seu esposo e assim por diante...

Eu gostaria que você me enviasse casos concretos, da época do Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele), onde muçulmanas (shabiyyat, ou seja, as companheiras do profeta) deixariam seus esposos não-muçulmanos se eles decidissem não se converter. Acredito que estes casos seriam a única prova para convencer as pessoas daquela lista de que as muçulmanas não podem se casar ou permanecer casadas com não-muçulmanos, ainda que eles não sejam contra a conversão da mulher.

 

Todos os louvores são para Allah.

O que você disse em sua questão sobre isso ser haraam (ilícito), que uma muçulmana se case com um não-muçulmano, está correto, e não há dúvidas com relação a isso.

Allah diz (interpretação do significado):

“E não façais esposar vossas filhas com os idólatras, até se tornarem crentes” [al-Baqarah 2:221]

Al-Qurtubi disse:

“’E não façais esposar vossas filhas’ significa: não dê a mulher muçulmana em casamento aos homens Mushrik (pagãos). A Ummah (nação muçulmana) concorda que um mushrik não deve se casar com uma muçulmana porque isso é como colocar o Islam em uma situação inferior. (Tafsir al-Qurtubi, 3/72).

Allah diz (interpretação do significado):

“Elas não lhes são (esposas)lícitas nem eles lhes são (esposos) lícitos” [al-Mumtahanah 60:10]

 

Al-Bukhari (que Allah tenha misericórdia dele) disse:

 

Capítulo: quando uma mushrik ou cristã que é casada com um dhimmi (um não-muçulmano vivendo sob governo muçulmano) ou um harbi (não-muçulmano pertencente a um povo que é hostil com o Islam) torna-se muçulmana.

 

Abd al-Waarith disse, narrando de Khaalid, de ‘Ikrimah, a partir de Ibn ‘Abbaas:

Se uma cristã torna-se muçulmana logo antes de seu marido, ela é proibida para ele...

Mujaahid disse: Se ele se torna muçulmano durante a ‘idda [período de espera subsequente ao divórcio], então ele pode (novamente) casar com ela. Allah diz (interpretação do significado): “Elas não lhes são (esposas) lícitas nem eles lhes são (esposos) lícitos” [al-Mumtahanah 60:10].

Al-Hasan e Qutaadah disseram, sobre as duas Magians (magian é um membro do zoroastrismo) que se tornaram muçulmanas, que seus casamentos ainda eram válidos, que se um deles tornou-se muçulmano e o outro recusou-se, a mulher teria sido divorciada e ele não teria mais direitos sobre ela.

(Sahih al-Bukhari. Consulte al-Fath, 9/421)

Exemplos de tais mulheres incluem:

Zaynab, a filha do Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) – Ela era casada com Abu’l- ‘Aas ibn al-Rabi’ durante a Jaahiliyyah (os dias de ignorância pré-islâmico), mas quando ela se tornou muçulmana o casamento deles foi anulado, e ela voltou e ficou com seu pai (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele). Quando seu marido se tornou muçulmano, o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) a mandou de volta para ele.

(Narrado por al-Tirmidhi, 1143; Abu Dawud, 2240; Ibn Maajah, 2009; classificado com sahih pelo Imaam Ahmad, 1789. Al-Tirmidhi disse: não há nada de errado com seu isnaad).

A opinião correta é que o marido pode voltar para ela (após se converter), sem ser necessário renovar o contrato de casamento.

Se a mulher ainda está em sua ‘iddah (período de espera), ele tem direito sobre todos os outros, de se casar com ela. Se a sua ‘iddah tiver terminado, ela é livre para escolher se volta ou não para ele.

Al Tirmidhi disse:

Baseando-se neste hadith, os sábios disseram que se uma mulher se torna muçulmana antes do seu marido, então ele se torna muçulmano enquanto ela ainda está em sua ‘iddah, então o marido tem mais direito a ela, enquanto ela está sua ‘iddah. Esta é a opinião de Maalik ibn Anas, al-Oozaa’i, al-Shaafa’i, Ahmad e Ishaaq.

(Sunan al-Tirmidhi, Hadeeth 1142).

Ibn ‘Abd al-Barr disse:

Não há controvérsia entre os sábios com relação ao fato de se uma não -muçulmana se torna muçulmana, então sua ‘iddah termina, seu esposo não tem direitos em relação a ela, se ele não tiver se tornado muçulmano durante a ‘iddah dela.

(Al-Tamhid, 12/23).

Ibn al-Qayyim disse:

Mas o que a decisão do Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) indica é que o casamento chega a um impasse. Se ele se torna muçulmano antes do fim da ‘iddah dela, então ela (ainda) é sua mulher, mas se a sua ‘iddah termina, então ela pode se casar com quem bem quiser. Se ela quiser, ela pode esperar por ele, e se ele se torna muçulmano ela é sua esposa e não há necessidade de renovar o contrato de casamento.

(Zaad al-Ma’aad, 5/137, 138)

Al-Qurtubi disse:

Talhah ibn ‘Ubayd-Allaah era casado com Arwaa bint Rabee’ah ibn al-Haarith ibn ‘Abd al-Muttalib. Eles foram separados pelo Islam, então no Islam Khaalid ibn Sa’id ibn al-‘Aas casou-se com ela. Ela foi uma das esposas (muçulmanas) de não-muçulmanos que fugiram para o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele). Ele (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) a manteve em Medina e a casou com Khaalid.

(Tafsir al-Qurtubi, 18/65,66)

Foi narrado que Anas disse: Abu Talhah casou-se com Umm Sulaym e o mahr (dote) entre eles foi o Islam. Ela se tornou muçulmana antes dele. Ele a pediu em casamento e ela disse: “Eu me tornei muçulmana. Se tu te reverteres (ao Islam) caso-me contigo”. Então ele tornou-se muçulmano e aquele foi o mahr entre eles.

(Narrado por al-Nasaa’’i, 3340)

A filha de Walid ibn al-Maghrirah, a esposa de Safwaan ibn Umayyah, tornou-se muçulmana antes dele, e o casamento foi anulado. Então ele tornou-se muçulmano posteriormente, e ela voltou para ele. Isso foi narrado por Maalik em al-Muwatta’, 1132. Ibn ‘Abd al-Barr disse: Eu não sei de nenhum isnaad sahih intacto para este hadith, mas é famoso e bem conhecido dos sábios de sirah, Ibn Shihaad, o líder dos sábios de sirah, e al-Shu’bi. A fama deste hadith é mais forte do que o seu isnaad, in shaa Allah,

(al-Tamhid, 12/19)

Umm Hakim bin al-Haarith ibn Hishaam, a mulher de ‘Ikrimahibn Abi Jahl. O casamento dela foi anulado, então ele tornou-se muçulmano durante sua ‘iddah, então ela voltou para o seu marido.

(Narrado por Ibn Abi Shaybah em al-Musannaf, 4/107)

 

E Allah sabe melhor.

Fonte: Islam Q&A

Tradução e Adaptação: Islane Castelo


You have no rights to post comments