Ele se Casou com uma Mulher sem um Wali

 

 

Estou em uma terra estrangeira e casei-me com uma cristã que também é estrangeira naquele país. Nós dois não temos nenhum parente, amigos, ou contatos lá. Eu a pedi em casamento e ela aceitou, então eu li as declarações de casamento ao que ela concordou, e por minha vez fiz o mesmo. Eu me esqueci do mahr [dote] na declaração, mas depois paguei-lhe uma certa quantia. Não havia guardião (wali) para ela, posto que ela já é adulta e independente, e não pudemos arranjar nenhuma testemunha. As perguntas são:

 

 

1. Se este casamento é válido religiosamente e se não é pecado no Islam, já que não ligamos para o aspecto social ou legal, por sermos estrangeiros. Em outras palavras, nós nos casamos tendo em vista nosso Deus e não queremos ser punidos no Dia do Julgamento. (Vivemos como marido e mulher por alguns dias).

 

2. Como eu não estava certo sobre o aspecto religioso deste casamento, decidimos juntos que eu deveria me divorciar dela, e assim o fiz. Isso está correto?

 

3. Será que eu preciso me casar com ela novamente se nosso casamento não estava correto, em frente a testemunhas e algum guardião/wali para que me isente de qualquer pecado?

 

Louvores a Allah.

 

Primeiro:

Não é admissível que um homem se case com uma mulher sem a permissão do guardião dela, seja ela virgem ou casada anteriormente. Esta é a visão da maioria dos eruditos, incluindo al-Shaafa’i, Malik e Ahmad. Isto é baseado em evidência que inclui o que se segue:

 

Os versos nos quais Allah diz (interpretação do significado):

“(...) não as impeçais de esposarem seus maridos anteriores (...)” [Surah al-Baqarah (2):232]

 

“E não esposeis as idólatras, até se tornarem crentes (...)” [Surah al-Baqarah (2):221]

 

“E casai os solteiros, dentre vós (...)” [Surah an-Nur (24):32]

 

O ponto aqui é que estes versos estipulam claramente que deve haver um guardião no casamento, porque Allah está se dirigindo a ele com relação ao casamento da mulher sob seu cuidado. Se o assunto estivesse por conta dela e não por conta dele [do wali], então não haveria necessidade de dirigir-se a ele.

 

O Imam al-Bukhari ter citado esses versos em um capítulo, o qual ele intitulou “Baab man qaala la nikaaha illa bi wali (Capítulo sobre aqueles que dizem que não há casamento sem um guardião)", é um indício do seu profundo entendimento sobre os assuntos da shari’ah.

 

Foi narrado que Abu Moosa disse:

“O Profeta (sallAllahu 'alayhi wa salam) disse: 'Não existe casamento sem um wali.'" [1]

 

Foi narrado que ‘Aisha (radiAllahu’anha) disse:

“O Profeta de Allah (sallAllahu 'alayhi wa salam) disse: 'Qualquer mulher que se case sem a permissão do seu guardião, seu casamento é inválido, seu casamento é inválido, seu casamento é inválido. Mas se o casamento foi consumado, então o mahr é dela, porque ela permitiu-lhe ter intimidade com ela. Se eles disputarem, então o governante é o guardião de quem não tem.'” [2]

 

Segundo:

Se o guardião dela a impede de se casar com quem ela deseja, sem razões válidas de acordo com a shari’ah, então o papel de guardião passa para o parente mais próximo, assim, este papel passa do pai para o avô, por exemplo.

 

Terceiro:

Se todos os seus guardiões a impedem de se casar, sem razões válidas de acordo com a shari’ah, então o governante é o seu guardião, por causa do hadith supramencionado (“Se eles disputarem, então o governante é o guardião de quem não tem.”)

 

Quarto:

Se não houver guardião ou governante, então o casamento dela deve ser tratado por um homem que tenha autoridade no local onde ela está, tal como o chefe da aldeia, ou o governador da província, e assim por diante. Se não houver tal pessoa, então ela deve apontar um muçulmano confiável para tratar do seu casamento.

 

Shaykh al-Islam Ibn Taymiya (rahimahullah) disse:

“Se não houver nenhum parente que possa agir como seu guardião, então esta posição passa para aquele que mais se adeque dentre os que têm algum tipo de autoridade em outros assuntos além de casamento, tais como o chefe da aldeia, o líder da caravana, e assim por diante.” [3]

 

Ibn Qudaamah disse:

“Se a mulher não tem um wali e não há um governante, então foi narrado de Ahmad aquilo que indica que seu casamento deve ser tratado por um homem de caráter íntegro, com a sua permissão.”  [4]

 

Shaykh ‘Umar al-Ashqar disse:

“Se não houver nenhum líder dos muçulmanos, ou se a mulher estiver em um local onde os muçulmanos não têm nenhum governante, e ela não tem guardião de modo algum, tal como os muçulmanos na América e outros lugares, se houver instituições islâmicas naquele país que cuidem dos seus assuntos, então eles devem tratar do casamento dela. O mesmo se aplica se os muçulmanos têm um líder que está a cargo ou alguém que é responsável por seus assuntos.” [5]

 

O contrato de casamento deve ser testemunhado por dois muçulmanos adultos, do sexo masculino, mentalmente sadios.

 

Consequentemente, você deve refazer o seu contrato de casamento e é essencial que o wali da mulher esteja presente, conforme mencionado acima, assim como duas testemunhas.

 

E Allah sabe melhor.

 

Referências:

[1] Narrado por al-Tirmidhi, 1101; Abu Dawud, 2085; Ibn Maajah, 1881. Classificado como sahih por Shaykh al-Albaani (rahimahullah) em Saheeh al-Tirmidhi, 1/318.

[2] Narrado por al-Tirmidhi, 1102; Abu Dawud, 2083; Ibn Maajah, 1879. Classificado como sahih por al-Albaani em Irwa’ al-Ghaleel, 1840.

[3] Al-Ikhtiyaaraat, pág. 350.

[4] Al-Mughni, 9/362.

[5] Al-Waadih fi Sharh Qanoon al-Ahwaal al-Shakhsiyya al-Urduni, pág. 70.

 

 

Fonte: Islam Q&A

Tradução e Adaptação: Islane Castelo

 


You have no rights to post comments