A Mulher e Sua Fala

Sheikh Saalih Al-Fawzaan, que Allah o preserve:

Vai da mulher que teme a Allah e a outra vida ficar longe do que muitas das mulheres fazem hoje, como serem indiferentes com o hijab e maleáveis em se vestir com roupas atrativas ao sair de casa e serem negligentes com perfume ao sair e se misturarem com os homens, ficando em gracejos com eles.

Allah, o Altíssimo, disse às esposas de Seu Profeta (interpretação do significado):

 

"... Então, não mostreis sedução no dito; pois aquele em cujo coração há enfermidade [anseio erótico], aspirar-vos-ia; e dizei dito conveniente". (Alcorão, 33:32)

Se uma mulher tem a necessidade de falar com um homem que não seja um de seus mahaarim (marido ou parentes de sangue), ela pode falar com ele, mas com um tom casual que não tenha suavidade ou doçura nela [na voz], e não de forma leviana ou risonha.

Em vez disso sua fala deve ser comum e de acordo com o que determina a necessidade - ou seja, uma pergunta e uma resposta - só por necessidade.

Ela não deve falar em um tom que pareça amigável, rindo ou brincando, ou com uma voz suave ou bonita, atiçando, assim, o desejo de quem tem doença no coração. Isto é baseado no ditado de Allah:

"... e dizei dito conveniente". (Alcorão, 33:32)

Dessa forma, as mulheres muçulmanas de hoje devem temer a Allah em relação a si mesmas e suas sociedades.

[Livro: "Four Essays On The Obligation Of Veiling" (Quatro ensaios sobre a obrigação do Véu). Capítulo: "Advice To Muslim Women" (Conselho para as mulheres muçulmanas), pelo Sheikh Saalih Al-Fawzaan, p. 72]


You have no rights to post comments