"Faça Du'a por Mim"

 

Quem quer que diga para outra pessoa ‘faça du’a por mim/nós’ com a intenção de que aquela pessoa para quem pediu se beneficiará ao fazer du’a, e que a própria pessoa que faz o pedido também se beneficiaria devido à ação daquele que está sendo solicitado - da mesma forma que se beneficiaria ao incentivar outra pessoa a fazer qualquer ação virtuosa - então esta pessoa segue o exemplo do Profeta (sallAllahu 'alayhi wa salam), [e] isso não é das ações que são consideradas como as dos pedidos que não são preferíveis.

 

 

Quanto àquele cujo único intento (ao fazer este pedido) é que alcance sua necessidade, sem intencionar beneficiar aquele a quem pede para fazer a du’a, então esta pessoa não está dentre aquelas que tomaram o Profeta (sallAllahu 'alayhi wa salam) como exemplo neste assunto. Antes, este tipo de pedido não é preferível; enjeitá-lo e voltar-se para Allah nas necessidades e pedir a Ele é melhor do que se voltar à criação nas necessidades e pedir a ela [1]. E tudo isso é da categoria de pedir aos viventes, o que é permissível e legislado.

 

Por: Shaykhul Islam ibn Taymiyyah

Qa’idah Jaleeyyah: P. 75

 

Nota:

[1] O hadith coletado por al Imaam Ahmad, Tirmidhi e Abu Dawud que ‘Umar ibn al Khataab pediu permissão ao Profeta para fazer ‘Umrah, o que ele permitiu e disse: ‘Não se esqueça de nós, meu irmão, em seu du’a’. Shaykh al-Albani declarou o hadith como sendo inautêntico em suas observações a Mishkaat al Masaabeeh e Da’eef al Jaami’ como foi clarificado pelo Shaykh Rabee’ em suas observações a este livro.

 

 

Fonte: Subul as-Salaam [Traduzido do Árabe por Abu Abdul-Waahid, Nadir Ahmad]

Tradução: Islane Castelo


You have no rights to post comments