A Aprendizagem da Crença (Aqeedah) – Shaykh Saalih al-Fawzaan

 

 

Pergunta: Estão aqui algumas pessoas, que se distanciam de [assistir] lições sobre ‘aqeedah (fé/crenças), e dizem: “Somos Muçulmanos, não somos descrentes ou adoradores de ídolos de tal modo que tenhamos que aprender sobre ‘aqeedah ou assistir a sermões sobre isso’, Então, ó nobre Shaykh, qual é a sua opinião em relação a isto?

 

Resposta: Ensinar aos Muçulmanos ‘aqeedah [correta] não significa que os julgamos como descrentes. Pelo contrário, ensinamos aos Muçulmanos ‘aqeedah de forma a terem um conhecimento aprofundado sobre isso, e conhecer que situações a anulam e que situações são contrárias a ela. Hudhayfah ibn al-Yamaan, um dos distintos Companheiros – radiallaahu ‘anhu – disse: ‘As pessoas costumavam questionar o Mensageiro sobre o bem, porém eu costumava questioná-lo sobre o mal, por medo de cair nele.” [2]

 

Similarmente, ‘Umar ibn al-Khattaab, radiallaahu ‘anhu disse: “Em breve os laços do Islaam serão soltos pouco a pouco, porque as pessoas entrarão no Islaam mas estarão inconscientes da Jaahiliyyah (práticas ignorantes das quais Islaam se opõe).” [3] Portanto, quando ensinamos ‘aqeedah, não implica que nós julgamos aqueles que ensinamos como sendo não-Muçulmanos. Antes, o que significa é que desejamos que eles possam estar completamente cientes da correta ‘aqeedah Islâmica; de modo a que se apeguem a ela, e a que estejam cientes do que a opõe; de forma a manterem-se distantes disso. Allaah – o Altíssimo – disse, dirigindo-se ao Seu Profeta, sallaallaahu ‘alayhi wa sallam:

“Então, sabe que não há deus senão Allah. E implora perdão para teu delito e para os crentes e para as crentes.” [Soorah Muhammad 47:19].

 

Assim, é essencial que uma pessoa aprenda e que não se contente em apenas dizer: ‘Eu sou um Muçulmano.’ Sim, realmente és um Muçulmano – e todo o louvor é para Allah! Contudo, se um de vós fosse questionado quanto ao significado do Islaam, ou fosse pedido para explicar o que é o Islaam, então muitos não seriam capazes de explicar isto corretamente. Se um de vós fosse questionado sobre os fatores que anulam o Islaam, então muitos de vós não seriam capazes de explicar isto. Por conseguinte, se uma pessoa for ignorante [de tais fundamentos], é possível que caia na falsidade sem se aperceber. Se um de vós fosse pedido para explicar os pilares do Islaam ou eemaan (fé) que o Mensageiro, sallallaahu ‘alayhi wa sallam, explicou e instruiu, constataríamos que a maioria das pessoas seria incapaz de assim fazer. Então, como é que uma pessoa [contenta-se em] dizer: “Eu sou um Muçulmano”, no entanto desconhece estas questões [básicas]!

 

Infelizmente, muitos dos daa’ees (chamadores para o Islaam) são eles mesmos inconscientes [de assuntos básicos tais como] das condições para a Oração, ou inconscientes das regras e regulações concernentes ao wudhoo (ablução) e às situações que a invalidam. Alguns deles não sabem sequer que assuntos formam os arkaan (pilares) da Oração, ou formam as suas waajibaat (obrigações), ou aqueles assuntos que invalidam a Oração. Então para que Islaam estão eles a chamar! O Islaam não é meramente um chamamento, mas uma realidade a ser aprendida e praticada. Portanto, é essencial adquirir um conhecimento e um entendimento sólido da Religião. Isto porque, uma pessoa que não tenha um conhecimento sólido, pode cair em perigos sem se aperceber disso; assim como uma pessoa que caminha por um trajeto, mas é ignorante do facto de que ao longo desse trajeto está uma vala, ou um buraco, ou até mesmo uma emboscada. Contudo [devido à sua ignorância] ela acaba por cair dentro do buraco, ou da emboscada, sem mesmo se apercebendo disso.

 

Assim, é essencial aprender sobre tawheed, uma vez que tawheed é o fundamento básico [de ambos a Religião e a ‘aqeedah Islâmica correta]. De fato, ninguém se abstém de aprender sobre tawheed [e os assuntos de que necessita, assim como os seus limites, condições, fundamentos, provas claras, frutos e consequências, e os assuntos que o diminuem e enfraquecem, etc.] exceto uma de duas pessoas: [i] uma pessoa ignorante – e [as opiniões de] uma pessoa ignorante não são para ser dadas nenhum peso; ou [ii] um fanático depravado – aquele que deseja afastar as pessoas da ‘aqeedah do puro tawheed, e que deseja ocultar das pessoas as suas próprias crenças falsas, e aquelas outras crenças desviadas que são [falsamente] atribuídas ao Islaam. E este é possivelmente o conforto de muitos daqueles que se abstêm de aprender sobre tawheed. 

Allaah – o Altíssimo – disse:

“E não é admissível que os crentes saiam todos a campo. Então, que saia uma facção de cada coletividade, para que possam instruir-se na religião e para que, depois, admoestem seu povo, quando a ele retornarem, a de que este se precate.” [Soorah at-Tawbaa 9:122].

 

Além disso, o Mensageiro, sallallaahu ‘alayhi wa sallam, disse: “Aquele a quem Allaah deseja mostrar benevolência, concede-lhe o entendimento da Religião.” [4]

O significado desse hadith é que quando Allaah não quer mostrar benevolência a uma pessoa, Ele não a concede o entendimento da Religião. Portanto, aquele que diz: “Eu não preciso de aprender sobre ‘aqeedah.’ É como se estivesse a dizer: ‘Eu não necessito obter a compreensão da Religião!’ E isto é dito, ou por uma pessoa ignorante, ou por aquele que está desviado!

 

Al-Muntaqaa min Fataawa (1/303-306)

 

[2]. Relatado por al-Bukhaaree (nº 3606) e Muslim (nº 1847).

[3]. Relatado por Ibn Taymiyyah no seu Majmoo’ Fataawaa (10/301).

[4]. Relatado por al-Bukhaaree (1/25), a partir de Mu’aawiyah radiallaahu ‘anhu.

 

Fonte: Revista Al-Istiqaamah, Edição Nº 8 – Shawwal 1418H / Fevereiro 1998

 


You have no rights to post comments