Como se Ler o Alcorão Através dos Olhos de um não Muçulmano

Pergunta: Como cristão, sou adepto da paz... Atualmente estou lendo seu Livro Sagrado. Algum conselho? Alguma dica que eu deveria considerar? Obrigado.

Resposta curta: Existem três dimensões importantes que você precisa levar em conta ao ler o Alcorão.
1) O verdadeiro ponto de partida para entender o Alcorão é que não é como a Bíblia.
2) É uma Revelação Divina direta, com versículos que têm contexto histórico.
3) Acreditamos que os mensageiros de Deus foram seres humanos e Deus não foi encarnado ou gerado.

 

Salam (paz) David,


Obrigado por entrar em contato através de sua pergunta.

Ao ler o Alcorão, leve em consideração que ele é diferente da Bíblia. De fato, costumamos sorrir quando as pessoas se referem ao Alcorão dizendo “sua Bíblia”... O Alcorão não é um tipo de Bíblia, no sentido em que não foi narrado por apóstolos.

Os muçulmanos acreditam que este é um livro revelado por Deus ao Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele), através do anjo Gabriel.

No entanto, foi revelado ao longo de vários anos, abordando muitos eventos durante a vida do Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele). Isto é, assim como questões gerais de crença e monoteísmo, deísmo, maneiras e costumes sociais, além de economia, relações inter-religiosas, regras sobre a guerra, relações políticas e acordos.

Contexto histórico

Você vai encontrar versículos chamando os muçulmanos a lutar contra os não-muçulmanos. Você precisa saber que isso está relacionado a certos eventos políticos no passado. Eles devem ser colocados em contexto e não devem ser vistos como princípios gerais.

Por exemplo, quando as tribos não-muçulmanas violaram seu tratado com o Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele). Essas tribos foram, então, apoiadas por tribos judaicas para conspirar e trair seu juramento com os muçulmanos, combatendo-os.

Aqui, o Alcorão dirigiu-se ao Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) para revidar e se impor ante os agressores para cumprirem o acordo que haviam firmado. Isso pode ser algo comparável às medidas do Direito Internacional, hoje em dia.

Realmente, você não pode ler o Alcorão isoladamente, sem conhecer a história do início do Islam. Caso contrário, Deus poderia ter acabado de enviar um livro do céu para que as pessoas lessem e o tempo e esforço de Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) fosse poupado.

Portanto, o período de tempo, juntamente com os fatores históricos, são cruciais para entender e interpretar o Livro Sagrado dos Muçulmanos.

O Alcorão, como foi vivido pelo Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele), demonstra a natureza humana, a resolução de conflitos, o direcionamento cotidiano na política e nos fracassos e sucessos humanos.

É uma representação de dilemas humanos, eventos, questões sociais e relacionamentos... Ele mostra o caminho para uma boa vida, justiça e nos lembra da outra vida.

A Importância da Profecia

O exemplo do Profeta Muhammad em viver a mensagem do Alcorão foi o motivo pelo qual a profecia se fez necessária.

Para dar um exemplo de como uma vida moral deve ser conduzida, a vida do Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) e suas tradições narradas devem ser lidas junto com o Alcorão.

Por exemplo, os muçulmanos rezam de acordo com a maneira como o Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) costumava orar. Geração após geração, a oração foi realizada da mesma forma que o Profeta a executou – nos mínimos detalhes.

Mas se você procurar por isso no Alcorão, não encontrará qualquer menção de rezar exatamente 5 vezes por dia ou até mesmo como realizar a oração. Você só encontrará lembretes para orar.

É por isso que a vida de Muhammad e o curso dos acontecimentos, relacionados à revelação do Texto, são de importância fundamental para entender, aplicar e explicar o Alcorão. Isso significa que a história é importante também, assim como a revelação.

A experiência humana é reconhecida como a vontade de Deus, ou como o esforço contínuo para se aplicar a orientação transcendental a situações práticas do cotidiano.

Profetas, no entanto, são humanos. Eles não são deuses ou meio deuses. Portanto, acho que você não deveria estar lendo o Alcorão com uma mente cristã.

Você não deve esperar uma perspectiva semelhante em relação à vida e à existência, como a do cristianismo.

Lembre-se que o Islam é uma religião para a vida real. É para a sociedade humana, com seus lados bons e maus, para diferentes tempos e lugares.

É realista, mantendo a moralidade sempre em mente. Também apresenta a concepção ideal que devemos tentar implementar e alcançar.

O conceito de Deus no Islam

A chave para entender o Islam é começar compreendendo qual o conceito de Deus também é um pouco diferente. Nós, muçulmanos, não acreditamos no pecado original.

De fato, acreditamos em um conceito oposto ao da inocência original. O Alcorão diz que Adão cometeu um pecado. Mas, então, ele suplicou por perdão e Allah o perdoou – ponto final.

Também, diferente do cristianismo, é que, no Islam, acreditamos que todos os mensageiros eram seres humanos e Deus nunca esteve encarnado ou foi gerado.

Está dito no Alcorão que nada é comparável a Ele, sendo Ele a Luz dos céus e da Terra.  A Surah (capítulo) 112 afirma claramente:

{Dize: "Ele é Allah, Único. Allah é O Solicitado. Não gerou e não foi gerado. E não há ninguém igual a Ele.} (112, 1-4)

Este é o verdadeiro ponto de partida para entender o Islam, a revelação, a história e a condição humana.

Saiba que enquanto escrevo – eu mesmo – estou refletindo e redescobrindo muitos aspectos da minha fé.

É somente através do questionamento externo que alguém pode ver melhor internamente.

Então, obrigado pela sua pergunta que há me proporcionado esta oportunidade.

Por favor, não hesite em nos perguntar, caso surja alguma outra dúvida.

Desejamos o melhor. Salam (paz).

Por: Professor Shahul Hameed, fonte


You have no rights to post comments