Como Sabemos que o Alcorão Não Foi Alterado?

 

 

O despertar da Europa da Idade das Trevas e a subsequente iluminação intelectual de 1600s - 1800s foi um dos movimentos mais poderosos da história moderna. Isso trouxe para a Europa uma dedicação à ciência empírica, o pensamento crítico e o discurso intelectual. Grande parte disto foi importado da história intelectual do mundo muçulmano, através de pontos de entrada de muçulmanos na Europa, como Espanha, Sicília, e no Sudeste da Europa.

 

 

Este aumento no trabalho intelectual coincidiu com um período de imperialismo e colonialismo europeu sobre o mundo muçulmano. Países europeus como Inglaterra, França e Rússia conquistaram lentamente partes do mundo muçulmano, dividindo-os entre si. Assim, o esclarecimento intelectual, juntamente com o imperialismo no mundo muçulmano, levou a algo que os europeus viam como um estudo crítico do Islam, sua história, crenças e ensinamentos - este movimento é conhecido como Orientalismo. Uma das maiores deficiências do orientalismo, no entanto, é a análise da história islâmica em termos europeus, descartando os séculos de trabalho acadêmico de grandes mentes muçulmanas desde o tempo do Profeta Muhammad (salAllahu 'alayhi wa salam).

 

Um dos aspectos mais perigosos do orientalismo foi o estudo europeu sobre as origens do Alcorão. Uma vez que é bem aceito nos círculos acadêmicos que tanto a Torá dos judeus e o Novo Testamento dos cristãos mudaram ao longo dos séculos, os acadêmicos europeus erroneamente acreditavam que o mesmo devia ser verdade sobre o Alcorão. Seus esforços para provar a crença de que o Alcorão foi alterado e de que ele não é autêntico levou a estudos e trabalhos de intenção duvidosa e de baixo mérito acadêmico. Este artigo irá analisar criticamente as origens do Alcorão, a sua transmissão e sua compilação, para entender por que os muçulmanos aceitam as cópias do Alcorão que eles têm em suas casas como sendo as mesmas palavras que foram transmitidas através do Profeta Muhammad (salAllahu 'alayhi wa salam).

 

A Promessa da Proteção

Os muçulmanos acreditam que Deus já prometeu proteger o Alcorão da mudança e do erro que aconteceu com textos sagrados anteriores. Allah afirma no Alcorão, em Surat al-Hijr, versículo 9:

"Por certo, Nós fizemos descer o Alcorão e, por certo, Nós o preservaremos."

 

Para os muçulmanos, este versículo da promessa de Deus é suficiente para saber que ele vai realmente proteger o Alcorão de erros e mudanças ao longo do tempo. Para as pessoas que não aceitam a autenticidade do Alcorão, em primeiro lugar, no entanto, claramente este versículo não pode servir como prova de sua autenticidade, uma vez que é no próprio Alcorão. É a partir daqui que a discussão acadêmica começa.

 

Narração do Alcorão aos Companheiros

A revelação do Alcorão não foi um evento isolado no tempo. Foi um fluxo constante de versos que desceram para Muhammad (salAllahu 'alayhi wa salam) ao longo dos 23 anos de sua missão profética em Meca e Medina. O Profeta nomeou vários companheiros para lhe servirem como escribas, e escreverem os versos mais recentes, assim que fossem revelados. Mu'awiya ibn Abu Sufyan e Zaid bin Thabit estavam entre os escribas que tinham esse dever. Para a maior parte, novos versos seriam escritos em pedaços de osso ou em pergaminho, uma vez que o papel ainda não tinham sido importados da China. É importante notar que Muhammad (salAllahu 'alayhi wa salam) fez os escribas lerem os versos de volta para ele - depois de escrevê-las - para que ele pudesse corrigir e certificar-se de que não havia erros.¹

 

Para garantir ainda mais que não houvesse erros, Muhammad (salAllahu 'alayhi wa salam) ordenou que ninguém registraria nada mais, nem mesmo suas palavras - hadith - na mesma folha do Alcorão. Em relação às folhas que o Alcorão foram escritas, ele afirmou: "e quem quer que tenha escrito alguma coisa de mim que não seja o Alcorão deve apagá-la"². Isto foi feito para assegurar que outras palavras não foram acrescentadas acidentalmente pensando-se serem parte do texto do Alcorão.

 

É importante entender, no entanto, que a escrita física do Alcorão não foi a principal forma utilizada para que o ele fosse gravado. A Arábia Saudita em 600s era uma sociedade oral. Pouquíssimas pessoas sabiam ler e escrever, portanto, grande ênfase foi colocada na capacidade de memorizar longos poemas, cartas e outras mensagens. Antes do Islam, Meca era um centro de poesia árabe. Eram realizados festivais anuais a cada ano, que reuniam os melhores poetas de toda a Península Arábica - com participantes exuberantes que memorizavam as palavras exatas de seus poetas favoritos.

 

Assim, neste tipo de sociedade oral, a grande maioria dos companheiros registraram o Alcorão por memorização. Além da sua capacidade natural para ser memorizado, a natureza rítmica do Alcorão fez a sua memorização muito mais fácil.

 

O Alcorão não foi narrado para apenas alguns companheiros selecionados. Ele foi ouvido e memorizado por centenas e milhares de pessoas, muitos deles viajantes para Medina. Assim, capítulos e versículos do Alcorão se espalharam rapidamente durante a vida do Profeta (salAllahu 'alayhi wa salam) para todos os cantos da Península Arábica. Aqueles que ouviram versículos do Profeta (salAllahu 'alayhi wa salam) o  espalharam para tribos distantes, que também os memorizaram. Desta forma, o Alcorão alcançou um status literário conhecido entre os árabes como mutawatir. Mutawatir significa que ele foi tão amplamente disseminado a tantos grupos diferentes de pessoas, que todos tinham a mesma formulação, que é incompatível com a critica de que qualquer pessoa ou grupo poderia tê-lo falsificado. Alguns ditos do Profeta (salAllahu 'alayhi wa salam) são conhecidos por serem autênticos por serem mutawatir, mas o Alcorão inteiro é aceito como sendo mutawatir, por causa de sua ampla disseminação durante a vida do Profeta (salAllahu 'alayhi wa salam) através de meios orais.

 

Coleção Após a Morte do Profeta

Vimos até agora que a maneira como o Alcorão foi ensinado aos inúmeros companheiros do Profeta (salAllahu 'alayhi wa salam) lhe impediram de estar sujeito à proteção de apenas algumas pessoas. Como os versos se espalharam por todo o mundo islâmico, era impossível que os versos fossem alterados sem muçulmanos em outras partes do mundo, percebessem e corrigissem. Além disso, durante a vida do Profeta Muhammad (salAllahu 'alayhi wa salam), o anjo Jibril (Gabriel) recitava o Alcorão inteiro com ele uma vez por ano, durante o Ramadan. Quando o Alcorão foi concluído sendo revelado perto do fim da vida do Profeta (salAllahu 'alayhi wa salam), ele se certificou de que vários companheiros sabiam todo o Alcorão de cor.

 

Durante os reinados dos primeiros califas, no entanto, a necessidade de compilar todos os versos em um livro surgiram. Sendo assim, tomando uma ação preventiva, os califas que governaram o mundo muçulmano após a morte do Profeta (salAllahu 'alayhi wa salam) temiam que, se o número de pessoas que haviam memorizado o Alcorão diminuíssem muito, a comunidade estaria em perigo de perder o Alcorão para sempre. Como resultado, o primeiro califa, Abu Bakr, que governou 632-634, mandou uma comissão organizada, sob a liderança de Zaid bin Thabit, para recolher todas as peças escritas do Alcorão que foram espalhados por toda a comunidade muçulmana. O plano era para coletar todos em um livro central, que poderia ser preservado no caso das pessoas que tinham memorizado o Alcorão morressem.

 

Zaid era muito meticuloso com os versos, e por causa da enorme responsabilidade de não alterar as palavras do Alcorão, ele só aceitou peças de pergaminho com Alcorão que tinham sido escritas na presença do Profeta (salAllahu 'alayhi wa salam) e tinha de haver duas testemunhas que pudessem atestar estes fragmentos, de fato.³ O Alcorão foi recolhido e comparado com o próprio Alcorão memorizado, assegurando que não havia diferença entre as versões de escrita e oral.

 

Quando a tarefa foi concluída, um livro finalizado de todos os versos foram compilados e apresentados a Abu Bakr, que o assegurou nos arquivos do jovem estado muçulmano de Medina. Pode-se supor com certeza que esta cópia que Abu Bakr tinha correspondeu exatamente com as palavras que Muhammad (salAllahu 'alayhi wa salam) tinha dito por causa das inúmeras memorizações do Alcorão presentes em Medina, juntamente com as peças disseminadas de pergaminho em que foram gravados. Se houvesse discrepâncias, o povo de Medina teria levantado a questão. No entanto, não há registro de qualquer oposição ao projeto de Abu Bakr ou seu resultado.

 

O Mus'haf de Uthman

Uma cópia do mus'haf de Uthman, mantida no palácio deTopkapi em Istambul.

Durante o califado de Uthman, 644-656, uma nova questão sobre o Alcorão surgiu na comunidade muçulmana: pronúncia. Durante a vida do Profeta (salAllahu 'alayhi wa salam), o Alcorão foi revelado em sete dialetos diferentes - qira'as. Os dialetos diferem ligeiramente em sua pronúncia de algumas letras e palavras, mas o sentido geral não era alterado. Estes sete dialetos não eram uma inovação trazida pela corrupção do Alcorão nos últimos anos.

 

Como foi mencionado pelo Profeta (salAllahu 'alayhi wa salam) - existem inúmeras palavras suas descrevendo a autenticidade de todos os sete dialetos que são registrados nas compilações hadith de Bukhari e Muslim. A razão para a existência de diferentes dialetos do Alcorão foi para torná-lo mais fácil para diferentes tribos em torno da Península Arábica para o aprendizado e compreensão. Durante o reinado de Uthman, as pessoas que foram ao mundo muçulmano na sua periferia, em lugares como a Pérsia, Azerbaijão, Armênia e o Norte da África estavam começando a aprender o Alcorão.

 

Uma questão foi levantada por eles quando foram pronúncia das palavras - como se ouvissem diferentes árabes pronunciando os mesmos versos de forma diferente. Embora as diferentes pronúncias foram sancionadas pelo Profeta e não havia nenhum dano inerente às pessoas recitando e ensinando-os, isto levou a confusão entre os novos muçulmanos não-árabes. Uthman respondeu encomendando um grupo a se reunir, organizar o Alcorão de acordo com o dialeto da tribo dos coraixitas (a tribo do Profeta), e espalhar o dialeto Qurayshi a todas as partes do império.

 

A equipe de Uthman (que novamente incluía Zaid bin Thabit) compilou o Alcorão em um livro (conhecido como mus'haf) com base em manuscritos inéditos, juntamente com as memórias dos melhores recitadores do Alcorão de Medina. Este mus'haf foi então comparada com a cópia que Abu Bakr organizou, para se certificar de que não havia discrepâncias. Uthman, então, ordenou várias cópias do mus'haf a serem feitas, para que fossem enviadas para as províncias distantes por todo o império, junto com recitadores que ensinavam o Alcorão. Pelo fato de que o Alcorão havia sido compilado e estava sendo produzido em uma base regular, não havia necessidade para os numerosos fragmentos de versos que as pessoas tinham em sua posse. Os que ainda possuíam esses fragmentos foram ordenados que os destruíssem de forma que não pudessem ser utilizados no futuro para causar confusão entre as massas.

 

Embora orientalistas usam este incidente para tentar provar a afirmação errônea de que havia algumas discrepâncias que Uthman queria eliminar, esta é uma maneira simplista de olhar para o evento. Toda a comunidade em Medina, incluindo numerosos companheiros eminentes, como Ali ibn Abi Talib, apoiaram de bom grado este plano, e não havia objeções. Se isso tivesse sido a eliminação das diferenças legítimas, então o povo de Medina, certamente se oporia ou mesmo se revoltariam contra Uthman - o que não aconteceu. Em vez disso, o mus'haf de Uthman foi aceito por toda a comunidade como autêntico e correto.


You have no rights to post comments