A Arte Islâmica

O que é arte islâmica? Como devemos defini-la?
Gostaria de responder a essa pergunta dizendo que todo o trabalho legal de arte que decorre de um contexto islâmico merece ser chamado de arte islâmica, mesmo que não transmita um significado religioso específico . O que importa é que, como arte, que contribui para a construção da vida humana, tornando as pessoas mais otimistas, mais conscientes, mais capazes de lidar com o mundo e  de conviver e se conectar com outras pessoas. Arte islâmica deve ajudar as pessoas a se envolver com a vida de uma forma mais positiva. Este deve ser seu objetivo mais importante. Esta obra de arte poderia ter uma conotação religiosa ou poderia transmitir uma mensagem moral particular, mas que não é necessário para que possamos reconhecê-lo como islâmico.
A arte é, em essência, uma mensagem enviada adiante por um ser humano. Eu não acho que podemos imaginar arte que é desprovida de pelo menos algum tipo de mensagem. Isso se aplica mesmo às obras populares que são destinadas apenas para diversão, entretenimento ou efeito cômico. Uma vez que nessas obras que tem a intenção de trazer prazer e relaxamento para os outros, contêm uma mensagem. Isto é experimentado pelo público que dá à obra a sua recepção. É possível para uma pessoa se lembrar de algo bem-humorado e revivê-lo em sua mente. Ele pode sorrir para si mesmo ou até mesmo rir. Quando este é apresentado aos outros, tem o poder de transmitir o mesmo efeito a eles.
A mensagem de arte pode ter um âmbito amplo, abrangendo a vida em sua totalidade. Há algumas pessoas que argumentam contenciosamente se a mensagem da arte é algo específico a si mesmo, ou se seu compasso abraça a vida como um todo. Pessoalmente, sinto que a arte deve ser para a vida.
Baudelaire foi um dos apoiantes iniciais da noção de l’art pour l’art – “arte pela arte” – o que significa que a arte existe apenas por  seu próprio valor intrínseco, estético. Segundo essa visão, a arte não deve ter qualquer outro propósito ou mensagem. No entanto, quando a Revolução de 1848 veio, seus pontos de vista sobre o assunto mudaram em seu artigo “Pierre Dupont” (1851), ele escreve: “Ao excluir a moralidade e, muitas vezes até mesmo a paixão, a utopia pueril da escola de l’art pour l ‘art era inevitavelmente estéril, foi flagrantemente contrária ao espírito da humanidade”.
As artes – seja o desenho, caligrafia, ou o que você tem – respondem aos nossos sentimentos naturais e necessidades humanas. Eu acredito que a arte é necessária para nos fazer todo como seres humanos.
Televisão e Cinema
Se voltando para a possibilidade de nossas produções de obras dramáticas que são tão particularmente apropriadas para nós mesmos e nossas necessidades como muçulmanos, eu acredito que é hora de  nós ajustarmos nossas mentes a isto. Ao invés de pregar sobre como as coisas são escuras, devemos acender as luzes. Devemos encarar o fato de que no mundo de hoje, não há como se esconder da mídia. O público tem acesso completo a ela e eles sabem como conseguir o que querem.
O que nos impede como muçulmanos de produzir dramas de televisão que sejam dignos e livre de perversidade? Por que não podemos desempenhar um papel ativo no cinema, tomar decisões sobre o estado da arte e produzindo nossos próprios filmes? Ao fazer isso, podemos comunicar mensagens positivas que queremos que o público receba.
Que há de errado em termos teatro ao vivo em todas as nossas cidades, com cada cidade competindo para se sobressair das demais em transmitir uma mensagem saudável na maneira mais eloquente e inspiradora possível, cultivando o gosto do público? Será que não é melhor para países como a Arábia Saudita produzir seus próprios programas em vez de importar tudo o que vê do exterior?
É com certeza triste que nós, muçulmanos, somos as únicas pessoas na Terra que são incapazes de comunicar eficazmente os nossos valores e ideais. Isso não vai mudar com alguns artigos aqui e ali na internet. Este esforço precisa de ser financiado pela comunidade empresarial. Produção de filmes de qualidade e programas de televisão leva dinheiro. Também tem de haver alguma vontade das emissoras de televisão para apoiar, comissionar e adquirir tais obras.
Há também fatores políticos a considerar. Algumas obras são sufocadas por considerações políticas e limitações. A censura política muitas vezes é bastante dura em países muçulmanos e pode ter um efeito sufocante da criatividade humana.
Depois, há considerações de ordem social. Como é que o público vai receber o que está sendo produzido? Não é desejável que estas obras vão contra o senso comum da sociedade ou causar divisão. O que precisamos são obras que elevem a sociedade, sejam uma influência positiva, e que sirvam como uma fonte de orientação.
Nós precisamos colocar estas questões a um estudo sério. Mesmo aqueles que têm sérias reservas sobre a ideia devem ser autorizados a desempenhar um papel ativo, uma vez que este não é um processo estático, e – como vimos em muitos países de língua árabe e muitos países não-árabes – estes esforços podem evoluir ao longo do tempo em direções que são incompatíveis com os nossos valores religiosos e as nossas necessidades sociais. Aqueles que têm maior reserva trará a vigilância necessária para o processo. Precisamos desta perspectiva para nos manter no caminho certo.
Matéria/Assuntos
Quando as pessoas adotam a terminologia “islâmico” – quando se refere ao teatro, televisão, ou qualquer outra forma de expressão artística – nos deparamos com a pergunta: Será que ela tem que propositadamente apresentar valores islâmicos, ou é suficiente que ela reflita a verdadeira experiência das pessoas na sociedade?
Esta é uma questão complicada, porque as artes trazem qualquer assunto que ela se refere para o domínio estético, bem como ao domínio público. Portanto, a arte, não importa quão abertamente e neutra poderia descrever seu assunto, tem uma tendência a parecer apoiar ou endossar o que ela representa. A representação das realidades da vida é algo especialmente predominante na literatura moderna saudita. Muitos romances sauditas descrevem e expõem os aspectos da sociedade que estão escondidos ou o tabu, mas que certamente estão presentes na sociedade de verdade. Isso às vezes causa um pouco de sensação na Arábia Saudita e no exterior.
Por um lado, não faz sentido para as artes deturpar a experiência humana apresentando um mundo desbotado, falsificado, e idealizado que não tem nenhuma relação com o que está acontecendo na realidade. Ao mesmo tempo, não faz sentido na arte simplesmente apresentar as coisas como são. As pessoas sabem o que se passa no seu mundo, e as artes precisam contribuir com algo a mais a essa experiência. Se uma obra de arte aborda um tema difícil, ela deve ter um propósito em fazê-lo. A arte que retrata aspectos negativos ou trágicos de nossa experiência pode sugerir uma solução ou, pelo menos, destacar a necessidade de uma solução. Isto pode fornecer introspecções sobre o plano de fundo do que está acontecendo ou como entendê-lo, ou pode contribuir para nossa capacidade de lidar com a existência do problema.
Para o drama ser islâmico, o que não se deve fazer é agredir esses valores essenciais islâmicos que são aceitos por todos os muçulmanos. Por exemplo, não se deve desmerecer os ensinamentos islâmicos ou rejeitar o Alcorão e a Sunnah. Não se deve procurar desmantelar valores morais básicos.
A arte islâmica, assim como todos os aspectos da vida dos muçulmanos, deve ser harmoniosa. No entanto, do ponto de vista prático, sabemos que a vida – mesmo no seu melhor – não é assim. Durante a vida do Profeta, nem tudo que ocorreu na sociedade de Madinah estava de acordo com os ideais islâmicos. As pessoas nem sempre faziam o que Deus e Seu Mensageiro (que a paz esteja com ele) queriam deles. As pessoas foram criticadas e corrigidas, às vezes. Crimes foram cometidos na ocasião e as pessoas tiveram que ser punidas por eles. Então, havia coisas que eram conhecidas , mas não foram tornadas públicas, como as identidades dos hipócritas que viviam em Medina e faziam parte da sociedade de Medina.
Podemos falar, a partir de uma perspectiva, sobre normas e ideais. Temos de falar também de um ângulo prático. Qualquer que seja a expressão artística que um artista pode colocar adiante – um poema, um romance, uma peça de teatro, ou o que você quiser – terá suas deficiências. Portanto, todos que se identificam com o Islam e tem a defesa de valores islâmicos como uma meta devem estar preparados para aceitar críticas. As pessoas nunca vão todas concordar com algo que lhes é apresentado. Pode ser que os esforços de um será recompensado com um ataque grave dos meios de comunicação de um grupo ou outro. É por isso que precisa ser qualificado, preparado e pronto para entender essas questões. Precisamos estudar essas questões bem e ter uma visão clara e não simplesmente improvisar à medida que avançamos. Mesmo assim, haverá aqueles que aceitam os nossos esforços e aqueles que os rejeitam. É da natureza de qualquer trabalho bem sucedido ter seus defensores e detratores. Se uma obra de arte é respondida com o silêncio, então sabemos que há um problema ou que a sua mensagem não foi recebida com êxito.
O Papel da Fatwa
Eu tenho sérias reservas sobre a idéia de deixar obras de arte islâmica serem reguladas por fatwa – o que significa que uma fatwa decide quais obras de arte são permitidas e quais são proibidas. Desde quando é que uma fatwa tinha o poder de ditar os termos exclusivamente da sociedade muçulmana? Durante o tempo do Profeta, a fatwa estava presente – juntamente com os comandos e proibições, conselhos, orientações e decisões, por vezes, para não expor falhas. O mesmo pode ser dito sobre a era dos Califas Probos . Posteriormente, a sociedade tornou-se mais diversificada e fragmentada. Como conseqüência, as responsabilidades foram diversificadas e redistribuídas. A sociedade muçulmana de hoje, não é governada por um único fator, mas por muitos. Ela é liderada pela política do governo, pelo setor empresarial, pela mídia, pelos pregadores, bem como por estudiosos religiosos. Ela é liderada por fatwa, mas também pelas tradições e costumes. Existem inúmeros outros fatores que contribuem para a sociedade muçulmana e a influenciam.
Lembro-me de uma ocasião em que alguém se comprometeu a produzir um programa de drama o qual ele acreditava sinceramente seria de serviço ao Islam. Ele foi a um mufti e disse: “ Este é o meu objetivo e estes são os meus princípios operacionais”.
O mufti lhe disse: “Eu não tenho reservas sobre isto. Muito pelo contrário, penso que este trabalho que você está fazendo é bom, é um ato de devoção Talvez isso irá beneficiar alguns muçulmanos com pouco conhecimento ou alguns não-muçulmanos e ajudar a nossa causa. ”
Com a força daquela fatwa, ele prosseguiu com a sua ambição e gastou incontáveis horas e uma quantidade considerável de dinheiro no programa.
Depois de algum tempo, as pessoas começaram a dizer entre si: “Tal-e tal deu uma fatwa para isso.” Eles não pararam de cochichar, fofocando e causando polêmica até que o mufti em questão divulgou um comunicado declarando-se inocente do programa em questão e que ele não tinha nenhuma conexão com ele de qualquer maneira. Em vez dessa fatwa servir para apoiar o esforço da mídia, ela destruiu. Isto é porque a existência daquele esforço baseou-se na fatwa que o permitia. Quando a fatwa foi revogada, o esforço perdeu toda a sua legitimidade islâmica como  conseqüência.
Portanto, eu digo: as pessoas devem temer a Allah, tanto quanto possível e fazer o seu melhor para adotar princípios sensatos e equilibrados.
E Deus sabe melhor.
Sheikh Salman al-Oadah
Segunda-feira, 19/01/2009
Fonte: http://en.islamtoday.net/artshow-240-541.htm Traduzido por Danielle Aisha

You have no rights to post comments